Como a Marejada de Itajaí se tornou referência em sustentabilidade

- PUBLICIDADE -

Maior festa do pescado do Brasil, a Marejada de Itajaí é referência em sustentabilidade no Sul do país. Além de ser uma dos únicos a eliminar o plástico descartável de sua operação, com uso de copos ecológicos e embalagens sustentáveis, em sua 34ª edição, o evento adotou o aproveitamento de resíduos orgânicos. As medidas reforçam o compromisso do Município com a preservação do meio ambiente.

A Marejada é a primeira festa de Itajaí em que 100% dos resíduos das cozinhas são destinados à compostagem, em vez de serem encaminhados ao aterro sanitário. Os dez restaurantes do evento e a equipe de limpeza foram treinados pela organização para depositar os restos de comida em embalagens apropriadas e, todos os dias, uma empresa especializada faz o recolhimento.

- PUBLICIDADE -

A compostagem recicla os resíduos orgânicos e os transforma em adubo para fertilização do solo. O custeio do serviço é feito pelo Serviço Municipal de Água, Saneamento Básico e Infraestrutura de Itajaí (Semasa), um dos patrocinadores oficiais desta edição da Marejada.

O plano de sustentabilidade da festa ainda leva em consideração todas as etapas da gestão de resíduos: geração, segregação, acondicionamento, identificação, coleta, transporte interno, armazenamento temporário, tratamento interno, armazenamento externo, coleta e transporte externo, tratamento externo e disposição final em local devidamente licenciado.

“Implantar ações de sustentabilidade nos eventos do município foi um grande desafio e aprendizado. A Marejada mostrou para as pessoas que em um momento de lazer é possível cada um fazer a sua parte e contribuir com o meio ambiente. O plano de sustentabilidade adotado pela festa se tornou referência e a cada edição vamos reforçando esse compromisso ambiental”, destaca o secretário municipal de Turismo e Eventos, Evandro Neiva.

Viveiro Municipal vai reaproveitar resíduos compostados

Segundo o engenheiro ambiental da empresa responsável pelo serviço de compostagem, Fábio Vaccaro de Carvalho, até o 12º dia da Marejada foram recolhidos 660 litros de resíduos, que serão convertidos em até 430 quilos de adubo orgânico. Deste montante, 100 litros são provenientes de restos de pipoca, por exemplo. Em dois meses, esse adubo estará pronto para ser utilizado pelo Horto e Viveiro Municipal no cultivo de plantas.

Além disso, 100% do óleo de cozinha usado nos restaurantes da festa será destinado para a produção de biodiesel, por meio da reciclagem. Com a ação, evita-se que o óleo seja despejado na rede pluvial e contamine a água. Até o momento, foram recolhidos 965 litros de óleo.

A sustentabilidade é um dos maiores pilares da Marejada e fortalece o compromisso de Itajaí com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). O uso de copos ecológicos deve evitar o descarte de 500 mil copos plásticos nesta edição da festa. A distribuição de água gratuitamente pelo Semasa também evitará o descarte de quase 50 mil garrafas plásticas nesta 34ª edição.

Além disso, na área gastronômica, será usado um total de 45 mil talheres feitos com bagaço de cana e quase 143 mil embalagens de papelão ondulado doadas pela Klabin. Outra iniciativa que fez sucesso na última edição e foi mantida neste ano é o bicicletário gratuito. O espaço, patrocinado pelo Giassi, conta com 150 vagas monitoradas para incentivar o uso de transporte sustentável durante o evento.

A Marejada está em sua última semana e encerra no domingo (23), às 20h. Saiba mais em marejada.itajai.sc.gov.br

Fonte: Prefeitura de Itajaí