Sessão tem defesa da Celesc pública e elogio à empresa do Oeste

- PUBLICIDADE -

Parlamentar fez defesa enfática da continuidade da Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) pública e elogiou empresa que atua no ramo de GPS Agrícola, de Chapecó, durante a sessão de terça-feira (16) da Assembleia Legislativa.

“Sou a favor da Celesc pública, sabemos que tem problemas, que tem deficiências no estado, mas está atingindo um lucro de R$ 500 mi no primeiro semestre e R$ 2 bi de investimento este ano. Mais três anos com R$ 2 bi de investimento e a Celesc suprirá a demanda do estado”, previu Jaksom Castelli (União).

Segundo o representante de Quilombo, a empresa fatura mais de R$ 8 bi ao ano e é eficaz na prestação do serviço de energia.

“Tem fragilidade nas redes trifásicas da Serra e do Oeste, mas enquanto se tem equipes técnicas e pessoas técnicas nas gerências regionais, a Celesc pública precisa continuar, ela dá lucro e é eficaz”, justificou o parlamentar, que cobrou mais investimentos da empresa no Oeste e em energias renováveis.

Por outro lado, Castelli registrou o sucesso da empresa Seggna GPS, de Chapecó, maior fabricante de GPS agrícola do país, com tecnologia 100% nacional para operar o sistema de posicionamento global.

“Os empreendedores precisam ser valorizados, a Seggna vende para o país todo. Foi criada por técnicos de Chapecó e compete com os chineses e japoneses. Uma indústria limpa, com rentabilidade alta, que paga altos salários com um pequeno volume de carga”, avaliou o empresário do ramo dos transportes.

Flagrante de pichação
Bruno Souza (Novo) apresentou na tribuna vídeo de ato político ocorrido na UFSC em que a Polícia Militar flagrou o crime de pichação.

“Foi flagrada pichando, a PMSC corretamente intercedeu sem nenhuma violência, a delinquente tentou fugir e agrediu a Polícia Militar e a UFSC emitiu nota de repúdio contra a Polícia Militar. Olha, este mundo está de cabeça para baixo”, avaliou Bruno Souza (Novo).

O deputado elogiou a ação da PMSC e lamentou que a estudante tenha sido liberada pela Polícia Militar logo após a detenção.

Direito adquirido dos reservistas
Ricardo Alba (União) noticiou que os reservistas da PMSC e do Corpo de Bombeiros peticionaram junto ao Tribunal de Justiça (TJSC) o cumprimento de direitos adquiridos.

“Há um mês atrás quando veio o projeto do governo que tratava de forma diferenciada os policiais da ativa e da reserva. Eu alertei, estão esquecendo os reservistas, estão pulando por cima dos direitos adquiridos dos inativos da PMSC e do Corpo de Bombeiros. Agora os reservistas entraram com mandado de segurança que está sendo analisado pelo Tribunal de Justiça e pelo visto esta questão será revista”, informou Alba.

Fonte: Agência ALESC