Secretaria da Agricultura monitora impactos da cigarrinha-do-milho nas lavouras de Santa Catarina

Notícias de Balneário Camboriú - SC HOJE News

Foto: Cirio Parizotto/ Epagri

A cigarrinha-do-milho tem causado estragos nas lavouras de Santa Catarina. As estimativas apontam para uma quebra de 20% na produção esperada de milho, fechando em 2,07 milhões de toneladas. A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural trabalha em conjunto com a iniciativa privada, universidades e suas empresas vinculadas para buscar soluções que minimizem as perdas e evitem o mesmo problema na próxima safra.

“Os produtores que tiveram prejuízos devido ao ataque da cigarrinha podem buscar a Cidasc e a Epagri para apoio na elaboração dos laudos de renegociação de parcelas de financiamentos junto aos bancos. Já levamos essa demanda também para o Ministério da Agricultura para que juntos possamos apoiar os produtores rurais de Santa Catarina”, destaca o secretário de Estado da Agricultura, Altair Silva. 

Na última safra de milho de Santa Catarina sofreu com dois fenômenos inesperados: a estiagem e a cigarrinha-do-milho. O estado, que esperava colher 2,9 milhões de toneladas, terá uma redução de 20% na produção esperada. Segundo o Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), os produtores catarinenses deixarão de colher mais de 800 mil toneladas de milho, principalmente nas regiões de Chapecó e São Miguel do Oeste.

Governo do Estado trabalha em projeto de monitoramento

Desde setembro do ano passado, pesquisadores da área de fitossanidade da Epagri/Cepaf estão capacitando técnicos das equipes de extensão rural e de cooperativas para monitorar o problema, inclusive com a realização de testes moleculares para avaliação de populações infectivas.

A Secretaria da Agricultura, Epagri, Udesc, Cidasc, Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc) e a empresa CropLife se uniram em um comitê multi-institucional buscando construir ações proativas e proposições técnicas para subsidiar as ações do Governo do Estado e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O próximo passo é o investimento em um projeto de monitoramento da cigarrinha-do-milho, visando delimitar a presença da praga em solo catarinense, o monitoramento constante e a melhoria da comunicação com produtores. Será possível comunicar os órgãos de defesa sempre que houver sintomas de enfezamento em suas áreas e também receber alertas quando houver ocorrência de cigarrinha na região. O grupo de trabalho espera monitorar 20 pontos em todo o estado.

O projeto será submetido ao Conselho de Desenvolvimento Rural (Cederural) na próxima reunião, que deve ocorrer ainda nesta semana.

Conscientização dos produtores

A cigarrinha-do-milho já esteve presente nos milharais de Santa Catarina em outros períodos, porém em baixas populações ou taxas de incidência.  O que aconteceu na última safra foi que as condições ambientais favoreceram a sobrevivência do milho voluntário (conhecido como tiguera) nas regiões de menor altitude e encostas de rios. Há possibilidade ainda de ter acontecido um fluxo de populações migrantes de outras regiões de cultivo para Santa Catarina.

O grupo de trabalho estuda ações para conscientizar os agricultores da importância de eliminar o milho “tiguera” no período de outono/inverno, além de outras práticas culturais que podem reduzir os impactos.

Informações adicionais para imprensa:

Ana Ceron

Assessoria de Imprensa 

Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural

E-mail: [email protected]

Fone: (48) 3664-4417/ 98843-4996

Site: www.agricultura.sc.gov.br

Comente com o Facebook