Justiça Eleitoral realiza teste de integridade das urnas eletrônicas na Alesc

- PUBLICIDADE -

Visando averiguar o correto funcionamento das urnas eletrônicas em condições normais de uso, a Justiça Eleitoral promove neste domingo (2), no hall do Palácio Barriga Verde, um teste da integridade dos equipamentos utilizados nas eleições de 2022.

O processo acontece entre as 8h e às 17h, paralelamente à votação oficial do pleito, e é fruto de um memorando de entendimento firmado entre o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC) e a Assembleia Legislativa de Santa Catarina, visando aprimorar o processo de auditoria e acompanhamento do processo eletivo.

- PUBLICIDADE -

As urnas submetidas à aferição foram definidas em um sorteio realizado ainda na manhã de sábado (1º) pelo Tribunal Eleitoral entre as 16.249 existentes no estado. Dos 35 equipamentos selecionados, 25 foram instalados na Alesc. Outros dois foram destinados para a Escola de Educação Básica Professor Henrique Stodieck, em Florianópolis, para o teste de integridade com o uso da biometria, e oito para os municípios de Antônio Carlos, Florianópolis, Orleans, Porto Belo, Presidente Getúlio, Rio Negrinho, São João Batista e Videira, para a prova de autenticidade.

Cofiabilidade do sistema
Segundo o analista judiciário do TRE-SC, Eraldo Bubniak, desde 2002 o processo é realizado pela Justiça Eleitoral, mas para as eleições de 2022 o número de urnas foi ampliado. ”Já são 20 anos que ocorre essa auditoria em todos os TREs do Brasil, mas nesse ano, especialmente, houve uma ampliação da testagem. Na última eleição fazíamos essa mesma sistemática em quatro urnas do estado e nesse ano, seguindo a Resolução 23.673/2021 do Tribunal Superior Eleitoral, estamos fazendo em 27 urnas.”

Na Alesc o processo envolve a inserção nas urnas eletrônicas dos dados referentes a uma eleição simulada realiza por estudantes, de até 15 anos, de diversos municípios do estado, na qual foram utilizadas cédulas de papel e urnas de lona. O objetivo final, explica o diretor-geral do TRE-SC, Gonsalo Agostini Ribeiro, é que ao final da auditoria seja obtido o mesmo resultado tanto na votação manual quanto na eletrônica, comprovando a confiabilidade do sistema. “Esta audiência pública é mais uma camada que comprova que o voto recebido na urna é o mesmo voto que foi depositado, seja ele em papel ou na forma eletrônica.”

Ainda de acordo com o diretor, todos os procedimentos adotados durante a  testagem das urnas eletrônicas são supervisionado por auditores independentes e membros da Comissão de Auditoria de Funcionamento das Urnas, sendo transmitido em tempo real pelo canal do TRE-SC no YouTube. 

A escolha da Assembleia Legislativa para sediar o evento, conforme destacou o presidente do TRE-SC, desembargador Leopoldo Augusto Brüggemann, durante a assinatura do termo com a Alesc, visa conferir mais legitimidade aos processos adotados. “A Assembleia Legislativa é a casa do povo e nada melhor do que realizar este procedimento aqui, onde estão os políticos, os parlamentares, para que essa eleição paralela possa confirmar a autenticidade de toda a operação eleitoral.”

Fonte: Agência ALESC