Comunidade da Linha Serrinha se mobiliza para preservação da igreja


A Comunidade da Linha Serrinha tem se mobilizado para garantir a preservação de sua igreja. Construída em 1966, e inaugurada em 1967, a estrutura feita de madeira necessita de restauração. Devido a isso, em parceria com o Setor Museológico da Fundação Cultural de Chapecó, foi realizado um levantamento histórico sobre a importância da Capela de São João Batista como patrimônio cultural local.

O trabalho, realizado pela museóloga Alive Tavares e a técnica em museus Cristiane Cecchin, teve a finalidade de fazer um levantamento histórico preliminar a fim de subsidiar que os representantes da comunidade prossigam com as demais etapas da proposta que almeja a restauração da edificação, além de colocar a capela na rota turística municipal.

No último dia 10, na sede do Museu Histórico e Artístico de Chapecó (MHAC) e Museu Antonio Selistre de Campos (MASC), ocorreu a entrega deste documento a Volmir Luiz Santolin, representante da comunidade da Linha Serrinha, que agradeceu e elogiou o trabalho técnico feito pelas servidoras e garantiu que este documento contribuirá de forma significativa para a preservação do patrimônio arquitetônico da Capela de São João Batista. Além dele, esteve presente a presidente da Fundação Cultural de Chapecó Roselaine Vinhas e toda a equipe de trabalho MHAC e MASC.

Comente com o Facebook