Joinville recebe presente de Cidade-Irmã chinesa

- PUBLICIDADE -


Recentemente, Joinville foi surpreendida ao receber um presente vindo do outro lado do mundo, enviado por sua Cidade-Irmã chinesa, Zhengzhou (pronuncia-se “djên-djou”): dois conjuntos da coletânea de livros “Stories from Henan”. Um exemplar foi enviado para a Biblioteca Pública Municipal Prefeito Rolf Colin e está disponível para consulta, e outro para a Biblioteca da Univille.

- PUBLICIDADE -

Formada por 14 volumes, a obra é escrita em mandarim e inglês, e faz uma apresentação da província de Henan, na qual está localizada a Cidade-Irmã de Joinville Zhengzhou, com dados geográficos, históricos, culturais, sociais e econômicos.

A riqueza do material reacendeu as lembranças do advogado Rodrigo Guimarães de Albuquerque, que participou do segundo grupo de intercâmbio realizado pela Universidade da Região de Joinville (Univille), por meio do Programa Cidades-Irmãs, no ano de 2008.

Em relação à coletânea “Stories from Henan”, Albuquerque comenta: “É muito interessante para estudantes, profissionais e para quem quer conhecer mais sobre a província e sobre a nossa Cidade-Irmã”.

Hoje atuando na área de tecnologia, Rodrigo Albuquerque tomou conhecimento sobre o intercâmbio quando ainda era estagiário de Direito, na Prefeitura de Joinville. O interesse em conhecer uma nova cultura, aprender uma língua diferente e as notícias promissoras sobre o desenvolvimento econômico da China, motivaram o então recém-formado a embarcar na aventura, junto com outros 29 participantes.

Segundo ele, a experiência foi positiva desde a chegada à Cidade-Irmã, onde o grupo ficou alojado por dez meses, na universidade Zhengzhou Teacher’s College.

Além de aprenderem mandarim, os intercambistas tiveram aulas sobre cultura chinesa, Tai Chi Chuan, medicina chinesa, música, cinema, gravura, entre outros assuntos. Também tiveram a oportunidade de visitar outras cidades da província e conhecer mais sobre a história milenar do país mais populoso do mundo.

Após alguns meses de dificuldade, o brasileiro venceu um dos principais desafios da sua experiência, aprendeu o idioma e resolveu ficar na China, onde morou por mais sete anos.

Nesse período, trabalhou como professor de inglês, atuou na área de comércio exterior e fez uma importante conquista: “Por intermédio de um amigo, conheci a minha esposa que também é aqui de Joinville. Chegamos a estudar no mesmo colégio, mas acabamos nos encontrando apenas na China”.

Para Rodrigo Albuquerque, o Programa Cidades-Irmãs proporcionou uma importante experiência que contribuiu efetivamente para a sua vida pessoal e profissional.

“A vida na China me trouxe uma leitura de mundo muito mais ampla e a experiência de que não podemos julgar as pessoas, dizer quem está certo ou errado, mas é preciso tentar entendê-las. Aplico essa visão até hoje, no meu trabalho, onde atendo clientes internacionais que estão na Índia, na África do Sul ou na Suíça”, relata Rodrigo.

Joinville tem seis cidades-irmãs

Zhengzhou é a capital de Henan, província localizada no Vale do Rio Amarelo, na região central da China, e reconhecida como o lugar de origem da civilização chinesa. A Cidade-Irmã de Joinville tem extensão territorial de aproximadamente 7,5 mil quilômetros quadrados e população estimada de 12 milhões de habitantes.

As outras cinco Cidades-Irmãs de Joinville são Schaffhausen, na Suíça; Chesapeake, nos Estados Unidos; Joinville-le-Pont, na França; Spišská Nová Ves, na Eslováquia; e Langenhagen, na Alemanha.

Prefeitura vai compor novo comitê para Programa Cidades-Irmãs

A partir deste mês, a Prefeitura de Joinville, por meio da Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável (Sepud), vai iniciar a formação do Comitê das Cidades-Irmãs, que terá a missão de promover as atividades e o intercâmbio entre o município e suas seis cidades parceiras.

Entre as ações atribuídas ao grupo, estão o fortalecimento dos laços de amizade entre as cidades; a formação de acordos e programas de ação que visem fomentar o conhecimento recíproco por meio de intercâmbios; criação de possibilidades para o desenvolvimento de oportunidades econômicas e comerciais, bem como relativas à organização, administração e gestão urbana; formação de convênios; entre outras.

O novo Comitê deverá ser formado por entidades e instituições representantes de diversos segmentos da sociedade, vinculados, preferencialmente, a algum país integrante do Programa Cidades-Irmãs.

De acordo com o gerente de Desenvolvimento da Sepud, Victor Albert Batista da Silva, o Comitê das Cidades-Irmãs, instituído por meio do Decreto Municipal 47.222, representa o fortalecimento do programa.

“A ideia do Cidades-Irmãs é internacionalizar Joinville, dando mais oportunidades a empresas e à comunidade, por meio do aprendizado de idiomas e interações culturais. Queremos que a nossa cidade se torne mais cosmopolita”, afirma Victor da Silva.