15 C
Balneário Camboriú
InícioParlamento SCMarlene propõe reconhecimento a sua cidade natal como pioneira do cooperativismo em...

Marlene propõe reconhecimento a sua cidade natal como pioneira do cooperativismo em SC


A Comissão de Constituição e Justiça aprovou nesta terça-feira (5) o Projeto de Lei 45/2022, da deputada Marlene Fengler (PSD), pelo reconhecimento do município de Itapiranga como Capital Catarinense do Cooperativismo de Crédito. A parlamentar argumenta que a primeira cooperativa de crédito do estado foi fundada no município em 1932, quando a localidade ainda era conhecida como Porto Novo. Na defesa do projeto, ela destaca a existência de documento da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc) reconhecendo o município de Itapiranga como pioneiro na implantação da modalidade em Santa Catarina.

A iniciativa da deputada foi baseada em sugestão do presidente do Sicoob de Itapiranga, Simplício Meurer, com base na publicação “Memórias de uma Pioneira” que relata as mais de oito décadas de história da Creditapiranga, uma instituição financeira voltada às demandas da comunidade fundada por 41 sócios, à época, com o nome de Caixa Rural União Popular de Porto Novo. A ideia inicial é que a instituição prestasse serviços financeiros à população local. Além disso, conforme o documento, a cooperativa liderou ações focadas no desenvolvimento de Itapiranga e região, além de financiar, no início dos anos de 1960, “um estudo sobre os principais entraves ao desenvolvimento, propondo, como solução, uma série de ações que foram implantadas e constituíram, de forma decisiva, para a evolução econômica e social da região”.   

Nascida em Itapiranga e filha de pequenos agricultores, Marlene lembra das dificuldades da família em obter crédito no sistema tradicional, além das exigências contratuais dos financiamentos que praticamente inviabilizavam a tomada de empréstimos por produtores familiares. A alternativa era o autofinanciamento com a criação de cooperativas cujos os donos seriam os próprios associados. “Eu lembro que meu pai sempre falava na importância em ter uma cooperativa formada por pessoas que se conheciam, se respeitavam e acreditavam umas nas outras. Era a essência da formação daquela comunidade, porque por ali girava toda a economia local. As pessoas tinham medo de procurar instituições bancárias, mas não tinham medo de procurar as cooperativas, porque eram formadas por produtores com perfis semelhantes e tinham os mesmos valores. Essa essência criou o que temos hoje: um sistema de cooperativas que é uma potência em Santa Catarina e no Brasil”, resume a deputada.

O PL será encaminhado também à análise da Comissão de Turismo e após, irá à votação em plenário para virar lei, mas ainda sem data definida.  

Cooperativismo
Um relatório do Banco Central, de 2019, apontou que o sistema de cooperativas contava com quase 10 milhões de associados e que recebia quase 300 mil novos acionistas a cada seis meses. O crescimento é visto como consequência do enxugamento de agências e de pessoal tanto dos bancos privados, quantos públicos, não só pelos investimentos em tecnologia como também pelos efeitos da pandemia. Em Santa Catarina, por exemplo, o Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) está presente em 91% dos municípios, além de estar em terceiro lugar no ranking das instituições financeiras com quase 3,5 mil agências em todo o país.

Comente com o Facebook
Redação SC Hoje
Redação SC Hoje
DÊ SUA OPINIÃO SOBRE A QUALIDADE DO CONTEÚDO QUE VOCÊ ACESSOU. Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e envie sua mensagem por e-mail [email protected] ou pelo WhatsApp 48 99805.5030
- Advertisment -

Mais Lidas

Enviar mensagem
Envie FOTOS, VÌDEOS, ÁUDIOS, DENÚNCIAS ou sugestões de pauta para a equipe da redação!