Deputados destacam aumento para o magistério, valendo já para agosto


Parlamentares destacaram a tramitação de projeto que concede aumento salarial para o magistério e o desejo do Executivo de pagar o aumento já a partir de agosto durante a sessão de terça-feira (10) da Assembleia Legislativa.

“Hoje aprovamos na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) a Proposta de Emenda à Constituição nº 007/2021, que garante a remuneração mínima para os professores. O projeto alcança 76.464 servidores ativos, aposentados e ACTs, com ganho mínimo de R$ 5 mil para ensino superior e o menor valor de R$ 3,5 mil para quem tem magistério ou ensino médio”, informou Paulinha (sem partido).

Segundo a ex-prefeita de Bombinhas, o aumento demandará a aplicação de R$ 61 mi mensais, totalizando cerca R$ 750 mi por ano.

“Hoje votamos na CCJ, e creio que o Plenário deve deliberar ainda neste mês, o piso de R$ 5 mil para professores com 40 horas e com graduação, isso que é um grande avanço, talvez seja um dos pisos maiores do Brasil”, comemorou Valdir Cobalchini (MDB), acrescentando que a liderança do governo na Casa acenou com a possibilidade de pagamento do reajuste ainda na folha de agosto.

Transparência de gastos
Jessé Lopes (PSL) cobrou transparência nos gastos da Casa da Agronômica e pediu celeridade na análise de projeto de sua autoria que torna obrigatório a divulgação dos gastos da residência oficial do governador.

“Em junho de 2020 protocolei um projeto de lei complementar, a Paulinha pediu vistas e a CCJ aprovou. O problema é que um ano depois, em 10 de julho, ela entregou o projeto pedindo requerimento de diligência, agora sabe-se lá quando virá de novo”, lamentou Jessé.

Paulinha explicou os motivos do atraso.

“Tínhamos uma série de outras pautas”, justificou Paulina, informando em seguida que tão logo retorne da diligência, o projeto terá seguimento.

Editais da cultura em agosto
Paulinha informou que a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) deverá lançar os editais Elisabete Anderle e do Cinema ainda em agosto. O atraso, de acordo com a deputada, deveu-se às mudanças na gestão do órgão.

Dia do terceiro setor
Paulina noticiou o protocolo de projeto de lei instituindo a data de 31 de julho como o dia estadual do terceiro setor.

“Para dar espaço a um setor que tem mais de 41 mil organizações que precisam de visibilidade e de robustez nas políticas públicas”.

70 anos da Buddemeyer
Silvio Dreveck (PP) ressaltou na tribuna a passagem dos 70 anos de fundação da empresa Buddemeyer, com sede no Planalto Norte.

“Uma empresa de São Bento do Sul está comemorando 70 anos de existência, está na quarta geração e já passou por muitas dificuldades, desafios e superou. Hoje conta com 1,2 mil colaboradores e duas empresas, uma em São Bento do Sul e outra em Campo Alegre, a Buddemeyer”, declarou Dreveck.

Conforme descreveu Dreveck, a Buddemeyer é líder nacional no mercado de cama, mesa e banho, exportando para os países europeus, asiáticos e para os EUA.

“Em nome da Assembleia quero registrar o nosso reconhecimento a essa valorosa empresa, aos sócios fundadores e às gerações que deram sequência, contribuindo para o desenvolvimento regional e dando oportunidade às pessoas que lá trabalham”.

Dividindo os recursos das BRs
Marlene Fengler (PSD) sugeriu, no caso de rejeição por parte do governo federal, utilizar parte dos recursos destinados para uso nas BRs 470, 280 e 163 no desenvolvimento do esporte.

“Se a União não aceitar os recursos para as obras das rodovias, que parte dos recursos seja destinado a um programa de esporte, um programa de estado”, indicou Marlene.

Silvio Dreveck e Luciane Carminatti (PT) apoiaram a ideia de uma política permanente.

“Mesmo com poucos investimentos, o resultado foi extraordinário, atletas de Santa Catarina trazendo medalhas no skate e no vôlei. Precisamos de uma política pública permanente de investimentos”, defendeu Dreveck.

“Quero fazer um registro da importância do trabalho de base, o programa bolsa atleta se mostrou eficaz nas olimpíadas. De baixíssimo custo, foi implantado no nosso governo e muitas prefeituras têm investido, um investimento pequeno, mas com resultados extraordinários”, analisou Carminatti.

Laura Elita
Carminatti lamentou a morte da servidora aposentada da Assembleia, Laura Elita Vieira Amorim, ocorrida no último sábado. Carminatti destacou que Elita atuou por mais de 30 anos no serviço de saúde da Casa sempre com “alegria e um sorriso no rosto”.

Mudanças climáticas
Padre Pedro Baldissera (PT) repercutiu relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), da ONU, sobre a severidade das mudanças climáticas.

“É impossível fecharmos os olhos para as mudanças climáticas e a responsabilidade que cada um de nós tem com isso. São necessárias medidas emergenciais, com reduções fortes e sustentadas de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa”, pontuou Padre Pedro.

O parlamentar lembrou que todas as regiões do planeta estão sendo afetadas por eventos extremos, como ondas de calor, chuvas torrenciais, secas severas, furacões, tufões e ciclones tropicais.

Padre Pedro enfatizou o caso de Santa Catarina, que deve enfrentar chuvas mais fortes e secas prolongadas mais frequentes, com destaque para o irreversível aumento do nível do mar, que pode avançar cerca de um metro nas próximas décadas, arruinando o litoral barriga verde.

Conversa de bar
Jessé Lopes criticou o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, por afirmar em rede social que se fosse presidente da República a UFSC retornaria às aulas presenciais na cidade, ou mandaria fechar a universidade.

“Um prefeito que já foi deputado falar uma coisa sem noção de administração de universidade, que o presidente tem culpa ou autonomia para fazer voltar”, deplorou Jessé.

Doutor Vicente Caropreso (PSDB) ponderou que as críticas de Salvaro foram “força de expressão”. Já Maurício Eskudlark (PL) concordou com ambos e considerou inadmissível que as universidades federais continuem fechadas.

Operação contra corrupção
Maurício Eskudlark noticiou operação levada a cabo pela Polícia Civil nos municípios de Joaçaba e Campos Novos e que resultou na apreensão de significativa quantidade de dinheiro em espécie.

“É dinheiro para propina, que não pode passar pela conta oficial, quero parabenizar os policiais pela operação”.

Santuário Nossa Senhora de Lourdes
Milton Hobus (PSD) parabenizou o município de Ituporanga e o empresário Silvio Prim pela construção de uma estátua de Nossa Senhora de Lourdes com 40 metros de altura.

“É iniciativa de um empresário, para levar o turismo religioso para comunidade de Ituporanga, vai mudar a história do nosso Alto Vale”, garantiu Hobus.

Nilso Berlanda (PL) concordou.

“Silvio Prim é um empresário arrojado e preocupado com o Alto Vale”.

Voto impresso
Felipe Estevão (PSL) fez um apelo aos deputados federais para que votem favoravelmente ao voto impresso.

“Recebi nas redes centenas de mensagens ao longo das últimas semanas de apoio ao voto auditável. É algo que não podemos abrir mão, a missão está com vocês, sejam guerreiros da luz”, discursou Estevão.

Kennedy Nunes (PTB) e Jessé Lopes apoiaram o apelo do colega.

“É como caixa do mercado, passa o código de barras e não aparece no papelzinho? Vai aparecer dentro de um acrílico e quando dá ok no voto, passa a serrilha e o voto vai para a urna”, exemplificou Kennedy.

O representante de Joinville lembrou do caso do ex-deputado estadual Dóia Guglielmi (PSDB), que não se elegeu porque os votos que recebeu em uma urna do município de Içara não puderam ser computados, uma vez que a urna apresentou problema insanável.

“Deu pau na urna e ele acabou perdendo tudo”, insistiu Kennedy.

“Essa é a auditoria que não existe, não fica dentro da máquina quem votou em quem. Com o voto impresso vai contar os impressos e vai ter de bater com o que está na máquina”, sustentou Jessé.

Comente com o Facebook