O agravamento da Covid-19 no estado foi o tema que dominou a sessão da Assembleia Legislativa na manhã desta quinta-feira (26). Parlamentares de diferentes siglas demonstraram preocupação com a falta de leitos nas UTIs, o descontrole por parte da população nos cuidados preventivos e com as ações futuras para a possibilidade de vacinação.

Presidente da Comissão de Saúde, o deputado Neodi Saretta (PT) informou que na pauta da reunião do colegiado, agendada para a próxima quarta-feira (2), está confirmado um debate com diversos setores ligados à questão do novo coronavírus. “Precisamos saber como Santa Catarina está se preparando para a logística de vacinação.”

De acordo com ele, a comissão já fez outras reuniões com representantes do Instituto Butantã e da Itália, que vêm trabalhando no desenvolvimento de vacinas. “Agora vamos discutir com as secretarias de Estado da Saúde, da Educação, a Federação Catarinense de Municípios, o Ministério Público e todos os demais que estão diretamente ligados [à busca pela solução do problema]”, argumentou. Saretta afirmou ainda que, além da logística que o governo do Estado pretende adotar para a vacinação, é importante tratar também da busca e desenvolvimento de vacinas. “A pandemia só vai ser combatida efetivamente quando tivermos uma vacina. Santa Catarina não pode ficar para trás”, comentou.

Filantrópicos
O deputado Coronel Mocellin (PSL) alertou para a necessidade dos hospitais filantrópicos do Estado voltarem a ativar leitos de UTI. “Estive ontem com o secretário da Saúde [André Motta Ribeiro] e ele me informou que pediu a reativação de 212 leitos. Peço a estes hospitais que façam essa ativação, porque se continuarmos no ritmo, em 10 a 15 dias entraremos em colapso”, assegurou citando os números registrados até ontem, com 337 mil casos, sendo 25 mil ativos e 3561 mortes.

Mocelin destacou ainda a extrema importância da população adotar os cuidados básicos de prevenção. Na opinião dele, “não dá para esperar que o Estado faça algum tipo de restrição [às atividades econômicas]. As pessoas não estão levando a sério a Covid”.

A deputada Ada de Luca (MDB), por sua vez, falou da importância dos pronunciamentos dos parlamentares sobre o novo coronavírus. “Eu não sabia dessa certeza sobre os leitos e mais uma vez vou ser repetitiva. Falta planejamento, faltam pessoas com atitudes. Precisamos de menos mimimi e mais ação. Os órgãos do governo parecem que estão levando a coisa na marola, mas é uma onda violenta. Tudo o que precisamos não é nem para hoje ou para amanhã, mas para antes.”

Mocellin respondeu que não é só responsabilidade somente do governo e da Secretaria de Estado da Saúde. “Os hospitais filantrópicos que reativem os leitos e também ajudem. Essa cobrança também precisa ser feita.”