BC 55 anos: Em busca de alternativas para o turismo e construção civil.

BC 55 anos Em busca de alternativas para o turismo e construção civil. Leia na Coluna, SC Hoje News - Notícias de Balneário Camboriú

Ao  completar 55 anos, neste  20 de julho, Balneário Camboriú se consolida cada vez mais como uma cidade turística e cosmopolita em Santa Catarina e no Brasil.

A vinda tanto de turistas como de novos moradores de diferentes costumes e influências ao longo das últimas décadas acabou reunindo e concentrando também uma nova cultura de integração e de inovação empreendedora que destaca o município no Brasil e  mundo afora, principalmente na área da construção civil , ao lado do setor de  turismo e lazer.

Em pouco mais de 50 anos o município que até 1964 era a Praia de Camboriú, apesar da pouca extensão territorial ( apenas 47 km2), lançou-se para o mundo com um grande potencial turístico e de modernidade seja como destino de lazer para famílias, sonho de consumo para investidores, refúgio em busca de tranquilidade, qualidade de vida ou agitação.

De praia quase deserta na década de 50 para hoje com uma população fixa de mais de 135 mil habitantes e que pode chegar perto de um milhão na alta temporada, Balneário Camboriú hospeda personalidades ilustres e famosas na área esportiva e artística, principalmente. Essa vocação começou na década de 60, quando o então presidente da República , João Goulart, escolheu a cidade para construir sua casa de veraneio, na atual Barra Sul e contribuiu para a divulgação nacional da cidade praiana, hoje com um dos metros quadrados mais  caros do Brasil.

ALTERNATIVAS E FUTURO

Mas nem tudo são flores no setor econômico da cidade hoje conhecida como a “Dubai Brasileira “ pela reinvenção permanente do setor da construção civil e da ousadia e criatividade no tamanho dos prédios da cidade mais verticalizada do estado e do Brasil.

Empreendedores do próprio setor admitem que o esgotamento esta próximo e que a cidade necessita pensar com urgência uma nova matriz econômica para o futuro, com base na projeção de que daqui a uma década ou mais , a cidade deverá contar com cerca de 250 mil habitantes e terá que contar com outras alternativas de geração de emprego e renda para estes moradores , além da construção civil, turismo e serviços.

A conclusão do Centro de Eventos , o maior e mais moderno do Sul do país, sinaliza para um aquecimento do turismo de negócios  durante o ano todo , mas a estimativa é de que não será suficiente para garantir o futuro econômico da cidade sem sobressaltos.  Neste sentido, uma das alternativas de incremento que surge e vem sendo discutida , ao menos desde 2010 para cá, é a criação-implantação de um pólo de tecnologia e inovação, setor semelhante ao turismo , indústria limpa , sem chaminés, e de alto valor agregado. Entretanto , pouco de prático e concreto , tem sido feito neste sentido, a não ser debates e sinalizações político-administrativas.

Este tema, ao lado da qualificação turística, ou seja, atrair mais turistas de potencial econômico-financeiro do que moradores daqui para diante , além da reinvenção permanente da cidade, certamente deverá ser um dos temas dominantes dos candidatos a gestores deste pequeno , mas elitizado município ( que teve orçamento municipal de R$ 1 bilhão  previsto neste ano de 2019)  nas eleições municipais do ano que vem. Projeções e análises econômicas à parte, Balneário Camboriú continua sendo uma cidade diferente, de alta qualidade de vida  e objeto de desejo de moradia de muitos brasileiros e estrangeiros

Por Carlos Mello.