- PUBLICIDADE GOOGLE-

Reunião trata de recursos não repassados para equipes de vôlei

Notícias de Santa Catarina - SC HOJE News

Reunião da Comissão de Esportes e Lazer recebeu dirigentes das equipes e da Fesporte, em reunião nesta quarta
FOTO: Rodolfo Espínola/Agência AL

Continua após o anúncio

A Comissão de Esportes e Lazer da Assembleia Legislativa discutiu, em reunião da tarde desta quarta-feira (20), a situação das equipes de vôlei de Blumenau e Joinville que disputam a Superliga, divisão de elite do vôlei nacional. Os times aguardavam pelo repasse de recursos da Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte) prometida no ano passado, que não se concretizou.

Conforme os deputados Fernando Krelling (MDB), presidente da comissão, e Napoleão Bernardes (PSD), membro do colegiado, a fundação havia se comprometido a repassar R$ 1,5 milhão para os dois times de Blumenau e para a equipe de Joinville, por meio de um edital. O certame, no entanto, foi paralisado por problemas apontados pela ouvidoria da Fesporte e pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Continua após o anuncio

“Os times não procuraram o governo para pedir dinheiro. Eles foram chamados pela Fesporte e lhes foi prometido o recurso”, comentou Napoleão Bernardes.

Dirigentes das equipes participaram da reunião e relataram dificuldades com a falta do repasse. “Estamos em déficit, mas com salários em dia, graças aos esforços de todos os participantes do voleibol de Blumenau”, afirmou Paulo Henrique Crozeta, diretor da Apan-Blumenau.

Continua após o anúncio

Ruy Dornelles, do Bluvôlei, relatou que as atletas estão com três meses de salários atrasados e que precisou fazer empréstimos em seu nome para honrar compromissos. Giovane Gávio, do Joinville Vôlei, também fez um empréstimo de R$ 600 mil, além de aportar R$ 400 mil em recursos próprios. “Esse repasse ia nos proporcionar uma qualidade no time muito importante.”

A Fesporte foi representada na reunião por dois diretores, Fernando Hackradt e Jorge Davi da Silva. Hackradt afirmou que a fundação vai estudar se há como elaborar um novo edital que viabilize o repasse para as equipes. “Houve boa vontade [em fazer o edital]. Talvez o instrumento utilizado não tenha sido o mais adequado para aquele momento”, reconheceu Hackradt.

Já Silva defendeu que a melhor saída para resolver o problema é a regulamentação da lei estadual de incentivo ao esporte, aprovada pela Assembleia em 2021. “Temos que trabalhar em cima da regulamentação dessa lei, que é algo que vai ficar para sempre”, disse.

O deputado Fernando Krelling marcou uma nova reunião, para daqui a 15 dias, visando obter uma resposta da Fesporte. O parlamentar destacou a necessidade da regulamentação de lei de incentivo, no entanto afirmou que ela, no momento, não atende às necessidades das equipes.

“O melhor caminho ainda é o edital, precisamos achar uma saída jurídica para isso”, afirmou. “A lei de incentivo ainda vai demorar.”

O líder do Governo na Alesc, deputado Carlos Humberto (PL), participou da reunião. Para ele, não faltou esforço do Executivo para liberar os recursos e destacou as questões burocráticas que muitas vezes impedem o repasse.

Marcelo Espinoza
Agência AL

Fonte: Agência ALESC

Continua depois do anúncio: FP

- CONTEÚDO PROMOVIDO -

Veja Mais