Encontro foi realizado em Blumenau, na noite desta terça-feira (13). FOTO: Agência
Continua Após a Publicidadade
Notícias de Santa Catarina - SC HOJE News

Encontro foi realizado em Blumenau, na noite desta terça-feira (13). FOTO: Agência AL

Advertisements

Conhecer a atual situação do processo de municipalização do complexo esportivo do SESI – Serviço Social da Indústria, de Blumenau, e ampliar o debate com autoridades municipais, empresários e lideranças comunitárias sobre medidas e alternativas necessárias para sua efetivação foi o objetivo da audiência pública realizada nesta terça-feira (13), em Blumenau, por iniciativa do deputado Ivan Naatz (PL).

Desde julho de 2022, o Conselho Nacional do Sesi autorizou a venda do complexo de Blumenau à prefeitura municipal. O valor da transação foi definido em R$ 31,3 milhões, que fariam parte de um pacote de investimentos de R$ 9 milhões, previstos pela Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) nas estruturas do Sesi e do Senai – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, instaladas em Blumenau.

Ivan Naatz declarou que a bancada de parlamentares da região de Blumenau está trabalhando para conquistar os votos necessários para a derrubada do veto do executivo apresentado à emenda orçamentária, que previa a destinação de R$ 30 milhões para aquisição do complexo esportivo do Sesi. “O objetivo dessa audiência pública, hoje, é mostrar para o governo do estado que a obra é uma pauta da cidade, não de agentes políticos”.

Marcelo Greuel, secretário de Turismo e Lazer de Blumenau, afirmou que “essa é uma luta que já vem desde 2005 para a municipalização do Sesi. Chegarmos a um acordo para que esse sonho, que não é só do esporte e do turismo, mas de toda a comunidade de Blumenau.”

Greuel destacou que as instalações têm 206 mil metros quadrados e que a cidade não tem um estádio de futebol. Esses recursos para a municipalização dariam oportunidade a essa construção, conforme o secretário.

Além do esporte, Marcelo Greuel ressaltou a necessidade desse espaço para a realização de eventos sociais, culturais e educacionais. “Essa luta, que já vem de tanto tempo, se renova hoje, nessa audiência pública, e eu tenho certeza de que vamos trazer para Blumenau esse importante equipamento turístico, esportivo e cultural.”

O deputado Napoleão Bernardes (PSD) defendeu os recursos para a municipalização do Sesi em Blumenau como uma “questão de honra”. Segundo ele, o veto do executivo que nega o repasse desses recursos vai ser derrubado na Alesc. “Eu não tenho a menor dúvida em relação a isso, eu preciso aqui, também, com o senso de justiça, destacar que me debrucei muito sobre essa matéria que coube a mim na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) apresentar um voto divergente. O relator original acabou fazendo um voto favorável a esse veto, a esse não do governo à questão do repasse a Blumenau, mas vamos nos empenhar e contar com a compreensão de todos os deputados para reverter esse processo”.

Problemas de documentação e ressarcimento de impostos
Dificuldades na documentação para a realização da municipalização do Complexo do Sesi foram levantadas por Maurício Goll, vice-presidente da Câmara dos Vereadores de Blumenau. “Tivemos uma promessa do governo que não se realizou, mas também tivemos problemas de documentação junto à CNI (Confederação Nacional da Indústria) para estarmos de posse desse complexo, mas vamos resolver e aguardar que tudo se resolva e possamos trazer pra Blumenau esse importante equipamento”.

Já o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, subseção Blumenau (OAB/Blumenau), Rodrigo Soethe, defendeu o apoio do estado, no sentido de que “o estado devolva um pouco do que Blumenau tanto contribui para Santa Catarina”.

Esporte e acessibilidade
Anibal Giovanni Maneta, assessor da Federação Desportiva dos Surdos de Santa Catarina (Fdsesc), explicou que a criação da federação se deu para que os atletas tivessem oportunidade de participar de eventos e campeonatos fora do estado. De acordo com ele, não somente os surdos, mas o Paradesporto como um todo tem dificuldades que seriam supridas com esse complexo do Sesi.

“Seria uma forma de inclusão. Os atletas com necessidades especiais precisam de apoio e de locais para treinarem. Certamente o Sesi poderá dar esse apoio”.

Estiveram presentes na audiência representantes de entidades públicas e políticas, líderes de classe, setor empresarial e sociedade civil.

Michelle Dias
Agência AL

Fonte: Agência ALESC

Continua Após a Publicidadade