Balanço de Gestão: Política Hospitalar Catarinense leva serviço de saúde para perto dos cidadãos e integra toda a rede

Continua após a Publicidade

Com o desafio de levar mais serviços de saúde para próximo do cidadão, de forma regionalizada, com mais qualidade e tornar a rede hospitalar integrada, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) criou a Política Hospitalar Catarinense (PHC) em 2019. A sua releitura, em 2021, implantou novas ações efetivas que ampliaram ainda mais o acesso do usuário do SUS aos serviços de saúde em Santa Catarina.

A PHC foi elaborada por técnicos, por meio de uma escuta qualificada das demandas do setor e do que as associações filantrópicas trouxeram baseadas em suas experiências. “Na reformulação da PHC em 2021, a mais recente, foram estabelecidos critérios de repasse de recursos financeiros; ampliados serviços da rede de atenção psicossocial, materno infantil e de urgência e emergência, além de inseridas as cirurgias eletivas, muito prejudicadas durante a pandemia da Covid-19, e a saúde bucal para portadores de necessidades especiais. Também podemos acompanhar o desempenho das unidades por uma matriz de avaliação”, explica o secretário de Estado da Saúde, Aldo Baptista Neto.

- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -
Continua após a Publicidade
Notícias de Santa Catarina - SC HOJE News
Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Secom

A Política Hospitalar vigente aumentou de 117 unidades hospitalares, de quando foi criada, para 173, entre instituições filantrópicas, municipais, unidades próprias e federal. Mais do que dobrou os recursos aplicados, de R$ 312 milhões para R$ 620 milhões, que podem ser usados para custeio, manutenção e investimento previamente aprovados. Foram criados critérios baseados na ampliação e qualificação dos serviços, criando uma classificação das unidades hospitalares em seis portes.

“Todas essas ações foram possíveis por meio de um trabalho feito com muito cuidado, vocacionando as unidades hospitalares de acordo com a necessidade da região. Com a PHC, a SES tem trabalhado fortemente o processo de regionalização, fazendo com que os serviços sejam complementares para que o paciente possa ser atendido próximo de sua residência, evitando grandes deslocamentos. As instituições de saúde de menor complexidade, sendo retaguarda para as unidades de maior complexidade. E estamos conseguindo atingir esse objetivo”, conclui o secretário Aldo Baptista Neto.

Fonte: Governo SC

Continua após a Publicidade