Blumenau sedia capacitação para atenção a estomizados

- PUBLICIDADE -
Continua após a Publicidade

Enfermeiros, técnicos de enfermagem, médicos e assistentes sociais do Vale do Itajaí participam em Blumenau de um seminário de capacitação na Atenção à Saúde das Pessoas com Estomias Intestinais, Urinárias e/ou Fístulas Cutâneas. Realizado por meio de uma parceria entre a Comissão de Saúde da Alesc, Escola do Legislativo Deputado Lício Mauro da Silveira e a Secretaria de Estado da Saúde, o evento, que acontece nesta terça-feira (6) e vai até amanhã, deve reunir 75 profissionais de 28 municípios.

De acordo com a coordenadora da Área Técnica da Saúde da Pessoa com Deficiência da Secretaria, Jaqueline Reginatto, a meta do seminário é capacitar os profissionais da atenção primária dos hospitais e das regionais da Saúde sobre a atenção e a concessão de insumos para pessoas ostomizadas. “O Estado de Santa Catarina tem hoje uma gama bem grande de insumos que são fornecidos, todo um fluxo e uma orientação para o autocuidado que acontece nos municípios”, destacaram. Outra relevância, segundo Jaqueline, é a necessidade de manter as capacitações de modo constante pois há muita rotatividade de profissionais no setor.

- PUBLICIDADE -
Continua após a Publicidade

Apesar das fortes chuvas e enchentes que ocorreram nos últimos dias, a coordenadora acredita que o seminário possa ter lotação máxima. “Esperamos ter ao menos um profissional de cada município”, disse. A vantagem de eventos como este, também de acordo com a representante da Secretaria é que os capacitados passam a ser multiplicadores de conhecimento entre os demais enfermeiros e técnicos de enfermagem que não puderam vir a Blumenau.

Nos dois dias do evento, os participantes vão acompanhar 19 atividades entre palestras, mesas redondas, orientações e práticas. Um dos palestrantes é o antropólogo Max A. G., que falou sobre o tema “Quebrando o gelo: Aumentando a proximidade com os Estomizados”. Segundo ele, seu objetivo é mostrar que existem “modelos ideológicos” toda vez que duas pessoas interagem.

“O encontro de uma pessoa da área da saúde com uma pessoa que tem o problema e a necessidade de ser atendido acaba criando alguns obstáculos na relação. A ideia é mostrar como é que a gente pode trabalhar em cima disso de uma forma alegre, bem-humorada, e mostrar vários pequenos macetes que ajudam você a se aproximar mais do seu paciente. E essa aproximação acaba criando um resultado muito melhor no atendimento”, comentou. Na opinião dele, ao se estabelecer uma relação de confiança fica mais fácil a interação entre os profissionais de saúde e os pacientes.

Olhar atento
Marcelo Lanzarin, secretário de Saúde de Blumenau, avaliou como “extremamente importante” a ação do Parlamento catarinense ao trazer para Blumenau o seminário. Na visão dele, poder compartilhar as informações que serão disseminadas no evento é fundamental pois é um assunto focado em “público que precisa de um olhar atento dos profissionais de Saúde”.

O secretário citou ainda que as experiências de todos os que trabalham na região têm o poder de desmistificar muita coisa, tanto para quem atende, quanto para quem é atendido. Um exemplo desta possibilidade é promovido em Blumenau. “A prefeitura atende atualmente cerca de 300 pessoas estomizadas. E o município criou uma estratégia para aprimorar a atenção a eles que envolve um grupo de pacientes que se reúnem mensalmente para fazer uma troca de experiências”, contou. Os encontros são na policlínica central da cidade, em um espaço destinado para um intercâmbio sobre as situações rotineiras vividas pelos pacientes no dia a dia. Um resultado positivo apontado por Lanzarin é o acolhimento que os novos participantes recebem de quem já está ali há mais tempo. “São pessoas que estão passando por esse momento pela primeira vez que recebem apoio para afastar a insegurança e o medo”, explicou.

Para o presidente da Comissão de Saúde da Alesc, deputado Neodi Saretta (PT), a parceria para a realização dos 17 seminários em todo o Estado, tem grande validade. “Quem lida com os pacientes, precisa ter essa orientação sobre novas práticas e técnicas, inclusive os próprios pacientes e seus familiares, para que possam ajudar no tratamento, dando mais qualidade de vida à pessoa com estomia”, concluiu.

Programação

Terça-feira – 6 de dezembro

  • 8h30 – Palestra – Apresentação das Diretrizes Estaduais da Atenção à Saúde das Pessoas com Estomias Intestinais, Urinárias e/ou Fístulas Cutâneas em SC e Diretrizes Estaduais das Estomias Respiratórias – Jaqueline Reginatto
  • 9h – Palestra – Sistema ATPCD Estomizados, Regulação e Fluxo Documental – Jaqueline Reginatto
  • 9h30 – Sensibilização com enfermeiros – Danieal Mafioletti Floriano, Rafael Martins, Ricardo Inakoski, Lisiante Marcolin de Almeida e Marivana Mattos Fernandes
  • 10h – Palestra – Anatomia da respiração – Traqueostomia/Laringectomia – Marivana de Mattos Fernandes
  • 10h40 – Palestra Traquestomia e seus cuidados – Marivan de Mattos Fernandes
  • 11h30 – Palestra – Fluxo documental – Sabrina Vieira da Luz
  • 13h – Palestra: Quebrando o Gelo: Aumentadno a proximidade com os estomizados – Max A. G.
  • 14h – Palestra – Anatomia e Fisiologia dos Sistemas Intestinal e Urinário – Lisiane Marcolin de Almeida
  • 15h15 – Palestra – Indicações e tpos de estomias intestinais e urinárias – Lisiane Marcolin de Almeira
  • 16h15 – Prevenção e tratamentos  das lesões periestomais – Ricardo Iankoski
  • 17h15 – Orientações nutricionais básicas ao paciente ostomizado no pós alta – Ricardo Iancoski

Quarta-feira – 7 de dezembro

  • 8h – Palestra – Estomas em pediatria – Rafael Martins
  • 9h – Palestra – Avaliação, Seleção e Indicação dos Equipamentos Coletores e Adjuvante e Estudos de Caso – Daniela Mafioletti Floriano
  • 11h – Prática – Manuseio de insumos e dúvidas – Danieal Mafioletti Floriano, Ricardo Iankoski, Lisiane Marcolin de Almeida e Rafael Martins
  • 13h – Palestra – Abrindo-se para o grupo, vivência e relato sobre aproximação com estomizados, tristes, assustado – Max A. G.
  • 14h30 – Palestra – Técnico de auto irrigação – Rafael Martins
  • 15h – Mesa Redonda – indicações de equipamentos coletores e adjuvantes e a importância da reavaliação – Joseila Cristina Freanzon, Ricardo Iankoski, Daniela Mafioleti, Lisiane Marcolin e Rafael Matos
  • 16h30 – Depoimentos e relatos pós sensibilização – Joseila Cristina e Rafael Martins

Fonte: Agência ALESC

Continua após a Publicidade