Luciano Hang se manifesta após deputados do Psol pedirem sua inclusão em inquérito do STF

Continua após a Publicidade

O empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan, tomou conhecimento nesta quarta-feira, 16, por uma reportagem do site Uol que deputados do Psol pediram ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, a sua inclusão no inquérito que investiga a existência de milícias digitais antidemocráticas.
A ação do Psol foi toda embasada na reportagem mentirosa publicada pelo site Agência Pública, na semana passada, acusando o empresário de financiar e apoiar as manifestações que tem ocorrido pelo Brasil.
O Uol ainda afirma que procurou a assessoria de imprensa de Luciano Hang, o que também é uma mentira, pois nenhum e-mail ou mensagens no celular foram enviados.
“É mais uma armação que estão tentando montar para cima de mim, assim como aconteceu após a matéria do site Metrópoles que, em seguida, o próprio jornalista Guilherme Amado desmentiu. Mas, mesmo assim, resultou numa operação da Polícia Federal na minha casa e empresa, me custando a censura de todas as minhas redes sociais e contas bancárias”, lamenta o empresário.
Hang ressalta que, desde o dia 30 de outubro tem se dedicado exclusivamente às atividades empresariais, como já comentou em outras oportunidades. Sendo assim, não apoiou, participou ou financiou nenhuma manifestação ou paralisação.
O empresário também já desmentiu, por meio de imagens da concessionária Arteris, a reportagem da Agência Pública, que se baseia em factoides, a fim de construir uma narrativa na tentativa de prejudicá-lo.
Tanto que já entrou com uma ação judicial contra o veículo de comunicação que possui viés esquerdista, mostrando a partir de provas reais de que não existe envolvimento algum do empresário nas manifestações e paralisações.
Aliás, o relatório da PRF que o site Agência Púbica usa como base não cita o nome de Hang ou da Havan em nenhum momento. “Essa perseguição não tem fundamento. Mas me pergunto qual o objetivo disso tudo. Não basta terem me censurado, agora querem me prender?”, questiona o empresário.

Continua após a Publicidade

Continua após a Publicidade