Deputados voltam a agradecer eleitores na sessão

- PUBLICIDADE -

Integrantes do PSD, PTB, PT e PL agradeceram o apoio recebido dos catarinenses na sessão de quarta-feira (5) da Assembleia Legislativa.

“Foram três mandatos de vereador em Blumenau, três mandatos como deputado estadual e mais um ano e meio como suplente. Agora temos um novo momento, quero parabenizar os deputados que concorreram, que deram seus nomes”, declarou Ismael dos Santos (PSD), que se elegeu deputado federal no último domingo.

- PUBLICIDADE -

Ismael demonstrou gratidão “a Deus pelo cuidado constante nas estradas, pela força, sabedoria e serenidade em todos os momentos”, além de agradecer o empenho da família, dos amigos, da equipe de gabinete e dos voluntários.

Kennedy Nunes (PTB) e Neodi Saretta (PT) acompanharam Ismael e agradeceram o apoio que receberam nas urnas.

“Foram quase meio milhão que apostaram em meu nome para o Senado. Agradeço a todos que acreditaram na nossa luta, nós do PTB estávamos em um processo quase de minguante, mas as pessoas acreditaram”, registrou Kennedy, que garantiu ter sido o candidato ao Senado com o menor custo por voto: R$ 0,60 apenas.

“Quero agradecer quem participou do processo de forma correta, digna, debatendo o melhor para Santa Catarina. Tivemos novamente informações inverídicas tentando induzir o eleitor, fake-news, o que apequena o debate político sobre o que é melhor para Santa Catarina e para o Brasil”, avaliou Saretta.

O ex-prefeito de Concórdia advertiu sobre os principais problemas do estado, como as filas para consultas, exames e cirurgias; as péssimas condições das rodovias estaduais e federais; e os catarinenses que não têm condições de comprar comida.

Sargento Lima (PL) também agradeceu o apoio recebido e analisou o desgaste psicológico provocado por uma disputa polarizada.

“O período eleitoral é desgastante, mexe muito com o psicológico do sujeito, a aceitação e a rejeição mexem muito com o indivíduo”, revelou Lima, que agradeceu o apoio dos catarinenses, em especial “dos quase 40 mil joinvilenses, meus amigos e vizinhos”.

CPI da Celesc
Já o deputado Ivan Naatz, líder do PL, indicou que a nova Legislatura instalará uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar a aplicação dos recursos pela Celesc. De acordo com portaria que é mantida em sigilo pela empresa, mas que foi exibida no telão do Plenário, a Celesc aumentou em seis vezes os dividendos distribuídos aos seus diretores.

Segundo Naatz, mais de 500 gerentes da Celesc também serão beneficiados com a incorporação ao salário dos adicionais recebidos enquanto gerentes.

“Eles vão receber incorporação salarial por tempo de gerência, cinco anos e incorporam 50%. E o impacto financeiro das incorporações quem vai pagar? Quem vai pagar é o consumidor de energia. A Celesc precisa ser passada a limpo, a nova Legislatura vai fazer a CPI da Celesc. O que fazem com tanto dinheiro? Vamos fazer a CPI da Celesc”, garantiu Naatz.

MP de Contas x MCDA-C
Kennedy Nunes leu na tribuna trechos de relatório técnico do Ministério Público de Contas que elenca indícios de ilegalidades na contratação de software Multicritérios de Apoio à Decisão Construtivista (MCDA-C) pelo Executivo Estadual.

“Coronel Isaías, secretário Tasca, oficial da PMSC Geovane Pacheco: esses três que não fiquem bravos comigo, porque segundo o relatório assinado por analista do Ministério Público de Contas existem potenciais indícios que a inexigibilidade de licitação foi irregularmente executada e instruída, que violou a impessoalidade, que houve extrema celeridade e que a escolha da metodologia foi direcionada”, informou Kennedy.

Pesquisas
Sargento Lima criticou os institutos de pesquisa pelos erros cometidos em boa parte do território nacional e avaliou que a conduta das empresas pode ter sido culposa ou dolosa.

“Realmente são incompetentes e não sabiam o que estavam fazendo ou (erraram) a fim de induzir os resultados”, pontuou Lima, que defendeu a criação de “órgãos controladores” para os institutos de pesquisa.

Fonte: Agência ALESC