TSE lança a ferramenta “Como Votar”

- PUBLICIDADE -

Já está disponível na plataforma Google o recurso “Como Votar”, que vai ajudar a conectar brasileiras e brasileiros com informações oficiais sobre as Eleições 2022. A novidade é fruto de uma parceria entre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Google em favor da transparência e da segurança no processo eleitoral e o objetivo é levar até as pessoas dados confiáveis.

Ao pesquisar, por exemplo, “como votar” ou “como usar as urnas eletrônicas”, vai aparecer no topo da página explicações fornecidas pelo TSE sobre endereços de locais, horários e ordem de votação, documentação necessária, além de mais detalhes sobre uso correto da urna eletrônica e dúvidas comuns sobre o tema.

Neste ano, a experiência ganhou mais conteúdos e links para guiar o eleitor por ações como baixar o aplicativo e-Tìtulo, encontrar os locais de votação no site do TSE e tirar dúvidas diretamente no serviço de mensagens oficial da Corte Eleitoral.

A novidade foi apresentada durante entrevista coletiva de representantes da plataforma na manhã desta quarta-feira (31). Durante a conversa com os jornalistas, eles afirmaram que a parceria com o TSE é a espinha dorsal do trabalho da empresa ao longo do período eleitoral no Brasil. Desde 2014, o Google estabelece parcerias com a Justiça Eleitoral, visando combater de forma ostensiva o fenômeno da desinformação on-line no contexto das eleições brasileiras.

Novidades
Outras novidades anunciadas hoje com o objetivo de apoiar os eleitores e contribuir para a integridade das Eleições 2022 são a entrada em vigor da política do Relatório de Transparência de Anúncios Políticos também para anúncios de nível estadual e o programa exclusivo de capacitação sobre as eleições “Google para Eleitores”.
Ao explicar por que a transparência é tão importante para o Google, David Caragliano, Gerente Global de Políticas Públicas para Anúncios da empresa, ressaltou que a plataforma trabalha com três objetivos principais: informar o cidadão, aumentar a confiança e prevenir a atuação de maus atores.

Sobre as ações
A partir de quinta-feira (1º), passa a ser exigida a verificação de anunciantes que queiram rodar anúncios eleitorais que mencionam governantes eleitos ou candidatos aos cargos de governadores, vice-governadores, deputados de Assembleia Legislativa Estadual ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal. A política, já aplicada para anúncios do nível federal desde novembro de 2021, vai garantir que anúncios políticos de nível estadual também possam ser visualizados em breve no Relatório de Transparência de Anúncios Políticos.

O “Google para Eleitores” visa ajudar a buscar e identificar informação de qualidade sobre as eleições, pesquisar conteúdo de fontes confiáveis e checar a veracidade das notícias. A iniciativa está disponível no Canal do Google Brasil no YouTube, que conta com mais de 1,3 milhão de inscritos.

Em alta
O Google lançou também o Relatório Google Trends Eleições 2022, um estudo inédito baseado em dados da ferramenta Google Trends que mostra o que os brasileiros estão pesquisando e quais são seus interesses sobre temas relevantes, como emprego, educação, saúde pública, segurança, meio ambiente, entre outros. Um dos temas mais buscados recentemente é o simulador de votação do TSE.

Entre outras iniciativas de Google Trends para o período eleitoral, está a recém-lançada Central Google Trends – Eleições 2022, uma página dedicada às eleições nacionais com dados em tempo real sobre o período eleitoral, candidatos presidenciais, partidos e principais perguntas sobre temas relacionados à campanha.

Checagem de notícias falsas
Durante a apresentação, os representantes da plataforma falaram sobre a importância da parceria entre as instituições e a imprensa profissional nesse período. O projeto Comprova, por exemplo, é um dos parceiros do TSE e do Google, com atuação de jornalistas de 43 veículos de comunicação.

O Comprova é apenas um dos 150 parceiros do TSE no Programa de Enfrentamento à Desinformação e lançou o primeiro aplicativo de checagem de notícias falsas do Brasil. O app Projeto Comprova, disponível para Android e iOS, inclui checagens feitas pelos veículos e também funciona como ferramenta para envio de conteúdo suspeito, dicas e conteúdo educativo sobre como identificar conteúdo enganoso ou falso on-line.

YouTube
Durante o evento, foi destacado que as eleições brasileiras são uma prioridade para o YouTube e a política de integridade eleitoral inclui recomendações específicas e públicas sobre conteúdo ligado a eleições.

Também foi lançado hoje o painel de alerta de integridade eleitoral, exibido na busca ou vídeo ao pesquisar sobre eleições no Brasil e que direciona o usuário para informações oficiais do TSE.

Sobre a remoção de conteúdos na plataforma, foi informado que são retirados conteúdos que questionem a integridade de eleições e contenham informações falsas sobre fraude generalizada, erros ou problemas técnicos que supostamente tenham alterado o resultado de eleições anteriores, após os resultados já terem sido oficialmente confirmados.

De acordo com Alana Rizzo, gerente de Políticas Públicas do YouTube, a política é traduzida em 4Rs: remover, reduzir, recomendar e recompensar. Durante a palestra, ela citou que vídeos com esse tipo de conteúdo são removidos com apenas 10 views. “Usuários mais bem informados são eleitores mais bem informados”, disse.

Ainda dentro desta política, a plataforma não permite conteúdo que tenha o objetivo de enganar eleitores sobre a hora, o local, os meios ou requisitos necessários para votar, ou informações falsas que possam fazer as pessoas desistirem de ir às urnas. Isso inclui alegações falsas de que as urnas eletrônicas brasileiras foram hackeadas na eleição presidencial de 2018 e de que os votos foram adulterados.

Com informações do TSE.

Fonte: Agência ALESC