Maioria das aulas nas escolas do Bormann serão retomadas nesta quinta-feira


A maioria das aulas que foram suspensas nesta quarta-feira, devido ao temporal de granizo ocorrido no distrido de Marechal Bormann, deixando 728 alunos da rede municipal e mais de 600 da rede estadual sem aula, serão retomadas nesta quinta-feira.

A Secretaria de Educação de Chapecó anunciou a retomada em todas as unidades, entre elas a EBM Agropecuária Demétrio Baldissarelli e o CEIM Nova Vida, que tiveram prejuízos. Apenas o CEIM Maria da Luz Borges, onde os danos foram mais significativos, que voltará na segunda-feira. O prejuízo nas escolas é estimado em R$ 50 mil apenas na cobertura, sem contar os móveis e equipamentos.

A Escola Estadual Marcolina Rodrigues da Silva não terá aula pela manhã, quando ainda será feita e limpeza, mas retoma as aulas à tarde e noite ainda nesta quinta-feira.

De acordo com o superintendente dos distritos de Marechal Bormann e Goio-Ên, Aderbal Pedroso da Silva, entre os prédios públicos atingidos foram três escolas, escola agrícola, três CEIMs, a superintendência, CRAS e posto de saúde. O posto de saúde conseguiu atender normalmente.

O granizo atingiu a sede do distrito de Marechal Bormann e também algumas localidades, como Linha Almeida, Linha Vailon, Linha Cachoeira, Rodeio do Erval e Núcleo.

A estimativa é de cerca de 500 famílias atingidas, sendo mais de 1,5 mil pessoas.

Moradores como Isalete Ferreira, que mora com a filha deficiente, de 26 anos, teve telhado danificado e molhou os móveis.

Juarez de Lima, que teve a casa danificada e nem dormiu pois molho tudo, disse que o granizo foi forte. “Começou com uma ou duas pedras e depois vinha de punhado”, afirmou.

Janete Martins, 45 anos, foi socorrer seu pai, que era idoso, e depois foi na casa da filha e dos netos, que teve mais de dez telhas quebradas. “Aqui escorria água, molhou as cobertas das crianças”, disse a filha de Janete, Cristiane Bueno.

Desde a noite de terça-feira, quando ocorreu o temporal, a Defesa Civil, acompanhada da Diretoria de Segurança, Pública, Guarda Municipal e outros órgãos da Prefeitura e voluntários, distribuíram mais de 40 mil metros de lona.

Na manhã de terça-feira o prefeito João Rodrigues convocou todas as secretarias para uma reunião às 7h na Prefeitura, onde já decretou situação de emergência e depois transferiu os serviços para a superintendência do Bormann.

Lá foi feito o cadastramento das famílias, pela Assistência Social. Foram mais de 400 cadastros realizados. Também foram servidas cerca de 700 refeições doadas. A Cruz Vermelha, Polícia Militar e Bombeiros também estiveram auxiliando.

De acordo com o coordenador municipal da Defesa Civil, Valter Luciano Hüning, o primeiro passo foi entregar lona para que as pessoas pudessem cobrir suas casas e cadastrar as famílias afetadas. Há uma preocupação com o risco de as pessoas subirem nos telhados úmidos, pois foi registrado um caso de uma pessoa ferida. Mas não há relatos de desabrigados ou desalojados.

Uma campanha de arrecadação de colhões, cobertores, roupas e calçados foi lançada, com recebimento na Central de Doações da rua Marechal Deodoro e no CRAS do Bormann. Outra entidades, entre elas a Chapecoense, se integraram na campanha. A distribuição será feira via CRAS do Bormann, cujo telefone é 2049-9108.

O prefeito João Rodrigues disse que o município também vai viabilizar a aquisição e distribuição de telhas para as famílias carentes. Os trabalhos de atendimento prosseguem nesta quinta-feira, além do levantamento dos prejuízos, que ainda não foram computados.

Comente com o Facebook