João Amin lamenta morte no Hospital Infantil e cobra soluções para Saúde em SC


As críticas à gestão da Saúde em Santa Catarina deram o tom do pronunciamento do deputado João Amin (PP) nesta quarta-feira (15) na Alesc. O parlamentar falou sobre a morte de Maria Sofia, de dois meses, ocorrida na madrugada do último sábado (11) no Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis, cuja causa a família da menina atribui à falta de leito de UTI para internação. O Ministério Público já solicitou informações sobre o caso à Secretaria de Saúde.

“Eu não estou aqui para fazer acusação, neste momento, a ninguém, mas eu tenho que ressaltar que essa situação não pode cair na vala comum, não pode ser considerada normal”, afirmou Amin. Um trecho de uma entrevista da mãe de Maria Sofia para o jornal Notícias do Dias foi lido pelo deputado na tribuna: “Não tinha onde fazer uma entubação. Minha filha morreu porque o Estado não está se preocupando com os hospitais infantis. O Joana de Gusmão é o melhor de Santa Catarina, mas pelos médicos, e não pela estrutura. O que eu vi minha família passar naquele lugar foi desumano”.

O parlamentar ressaltou que o Hospital Infantil já foi considerado referência nacional em qualidade de atendimento, mas nos últimos tempos vem se notabilizando por notícias ruins, como problemas estruturais, falta de medicamentos e demais insumos, entre outras situações negativas. “Os profissionais que atuam lá são excelentes, merecem elogios, mas o local apresenta um problema novo a cada semana, é um verdadeiro absurdo, um caos”.

Falta de vagas em UTIs
Para João Amin, a questão do esgotamento das vagas de UTIs infantis e neonatais nas diversas regiões catarinenses, tanto na rede pública, quanto na privada, mostra a incompetência do governo estadual para lidar com a gestão da Saúde.  Segundo disse, o governo já reconheceu a gravidade da situação, mas anunciou medidas insuficientes para o momento, como o translado das crianças para hospitais de outros estados e a abertura de 68 leitos novos de UTI pediátrica em um prazo que pode chegar a 90 dias.

No começo do mês, Amin já tinha ocupado a tribuna da Alesc para cobrar soluções urgentes para o problema de falta de vagas nas UTIs de Santa Catarina. O parlamentar tem sido um crítico da gestão do governo do Estado na área da Saúde. No ano passado, ele fez duras críticas ao Executivo pela ausência de investimentos no setor com os R$ 113 milhões devolvidos pela Alesc. Em resposta ao Pedido de Informação protocolado pelo deputado para saber detalhes sobre a aplicação da verba, o governo informou que R$ 15 milhões foram destinados ao Fundo Estadual de Desenvolvimento Rural e o restante foi para crédito suplementar aberto em favor da Secretaria da Infraestrutura e Mobilidade.

Também em 2021, em fevereiro, insatisfeito com a revelação dos dados referentes à vacinação contra a Covid-19 em Santa Catarina, João Amin convocou o então secretário da Saúde, André Motta Ribeiro, para prestar esclarecimentos sobre o assunto na Alesc. Amin também integrou a CPI dos Respiradores, que investigou a compra de R$ 33 milhões por equipamentos que não foram entregues, em 2020.

Comente com o Facebook