Nota do Sindileite diz quem produziu fake news, afirma Sargento Lima


“Os 13 deputados que votaram contra, os produtores de leite, as cooperativas que processam o produto e até o consumidor de leite são mentirosos, geradores de fakenews?”

O questionamento foi feito nesta terça-feira (17), da tribuna da Alesc, pelo deputado Sargento Lima (PL) após ler nota oficial publicada no site do Sindicato das Indústrias de Laticínios do Estado de Santa Catarina sobre o preço e a carga de impostos do produto após aprovação da Lei 18.368/2022.

No ano passado, um projeto do Executivo tirou o leite da cesta básica, elevando o imposto de 7% para 17%. Os parlamentares tentaram corrigir o problema com uma emenda, vetada pelo governador Carlos Moisés. Devido à repercussão negativa, o Executivo enviou para a Alesc nova proposta, recolocando o leite na cesta básica. Durante os debates, 13 deputados, inclusive Sargento Lima, foram tachados de produzir notícia falsa, de que o leite estava sofrendo aumento de imposto.

A nota do sindicato da indústria, publicada em 11 de maio, explica todo o processo, e afirma que o produto original do Sindileite/SC não previa aumento de preços aos consumidores e, mesmo com o veto do governador, o preço do produto ao varejo não subiu por este motivo. “Agora, com a nova lei que cortou o benefício de 4% sobre a compra de matéria-prima conquistado pela indústria, a carga tributária subiu, ou seja, da parte da indústria não há nenhuma condição de redução de preço ao varejo em função da nova lei”, diz a nota oficial.

“Nós os 13 que fomos contra, os produtores, a cooperativa, os revendedores, os consumidores, todo este povo é mentiroso. As únicas pessoas detentoras da verdade estão na Secretaria de Estado da Fazenda e os deputados que votaram a favor”, enfatizou Sargento Lima.

Comente com o Facebook