Prefeitura de Joinville vai implementar plano de manutenção na Rua das Palmeiras


A Prefeitura de Joinville concluiu a remoção de seis exemplares de palmeiras, na Rua das Palmeiras. Cinco árvores estavam mortas e uma estava com o tronco danificado, sem possibilidade de recuperação.

O trabalho foi realizado por uma equipe especializada, composta por técnicos das Secretarias de Infraestrutura e Agricultura e Meio Ambiente, além de trabalhadores de uma empresa terceirizada que presta serviço ao poder público. Toda a ação foi planejada antecipadamente.

“Usamos 30 placas de metal que pesam cerca de 730 quilos cada uma delas para que o caminhão dividisse o peso e tivesse intervenção mínima na Alameda Brüstlein. Além do caminhão, um trator e outras máquinas foram usadas. A remoção das árvores exigiu que elas fossem cortadas em parte menores devido ao tamanho. Assim garantimos a segurança”, informa Deivid Corrêa, gerente da Unidade de Praças Parques e Arborização Pública.

Após a retirada, as unidades de Desenvolvimento Rural e Praças, Parques e Arborização Pública vai implementar um plano de manutenção da Rua das Palmeiras.

“Isso inclui o controle fitossanitário através de monitoramento de insetos que atacam essas plantas e também a adubação regular de todo aquele espaço. O objetivo é aumentar a vida útil das árvores que continuam no local. Esse plano é para dar segurança, com o monitoramento das árvores centenárias que têm uma relevância histórica. Isso vai diminuir o risco de que outras árvores sejam mortas por uma contaminação fúngica, bacteriana, ou intervenção de algum inseto, por exemplo. A vida útil da planta depende desse trato ambiental”, explica o diretor de Desenvolvimento Rural (UDR) da Sama, Luiz Carlos Maia.

O material coletado no local será analisado por pesquisadores.

“Nos próximos seis meses, vamos trabalhar para que a remoção das raízes seja concluída. Mas a manutenção inicia logo após a remoção das árvores com a lavagem do espaço, troca das floreiras e corte da grama. Depois da análise da terra é que será definido sobre o replantio de novo exemplares”, complementa Deivid.

As palmeiras imperiais da Alameda Brüstlein são árvores centenárias cujas sementes vieram do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, em 1867. Elas podem viver mais de 200 anos e chegar a 40 metros de altura.

Comente com o Facebook