20 C
Balneário Camboriú
InícioBalneário CamboriúEmasa inicia revisão do Plano Municipal de Saneamento Básico de Balneário Camboriú

Emasa inicia revisão do Plano Municipal de Saneamento Básico de Balneário Camboriú


Plano de trabalho foi apresentado à diretoria e equipe técnica da Autarquia

A Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa) iniciou a revisão do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) e elaboração do Plano de Municipal de Gestão Integrado de Resíduos Sólidos de Balneário Camboriú, para os próximos 20 anos. O Plano de Trabalho Consolidado, com todas as etapas para a elaboração e assessoria da execução foi entregue e apresentado na última semana pela empresa executora, Evolua Ambiental Engenharia e Planejamento, vencedora do processo licitatório.

O PMSB de Balneário é de 2013, e a nova redação da Política Nacional de Saneamento Básico indica que a revisão deve ser feita no prazo de 10 anos. O documento, que é o principal instrumento da Política Municipal de Saneamento, será revisado nos quatro eixos componentes do saneamento básico: sistema de abastecimento de água; sistema de esgotamento sanitário; drenagem e manejo das águas pluviais; e manejos de resíduos sólidos. O plano elenca um conjunto de diretrizes, estudos, programas, projetos, prioridades, metas, atos normativos e demais procedimentos, com objetivo de programar as ações e respectivos investimentos para a prestação dos serviços de saneamento básico no Município.

De acordo com o Plano de Trabalho, a revisão do PMSB será feita em cinco etapas: 1. Apresentação do Plano de Trabalho Consolidado (PTC); 2. Mobilização e Participação social; 3. Levantamento de dados e informações; 4. Prognóstico; 5. Minuta do Projeto de Lei do Plano Municipal de Saneamento Básico. Com a primeira etapa concluída, a próxima já foi iniciada, que inclui a formação e capacitação do Comitê Executivo e de Coordenação, formados por representantes (titular e suplente) de órgãos públicos municipais; conselhos; sociedade civil organizada; associação de moradores e universidades. Também será nesta etapa o mapeamento dos atores locais e as formas de organização social da população, para promover a participação em torno do PMSB em todas as áreas do município. Essa segunda etapa deve ser concluída até o fim do mês de maio.

A terceira etapa consiste no levantamento de dados e informações que possibilitará a construção do diagnóstico da situação atual dos sistemas de abastecimento de água; esgotamento sanitário; limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos; e drenagem e manejo de águas pluviais, que vai analisar os avanços no setor de saneamento do Município desde 2012, quando foi concluído o PMSB existente. Além do compartilhamento de dados técnicos fornecidos pela Emasa, e as visitas técnicas nas unidades dos sistemas afins; o diagnóstico será elaborado com a participação dos usuários dos serviços e a sociedade civil.

Para isso, a participação popular se dará por meio de reuniões em seis regiões da cidade e um canal virtual de comunicação, através do site da Emasa, para a realização de consulta pública online, para coletar informações. A previsão desta etapa é para os meses de maio e junho. “Esta etapa é de fundamental importância na revisão do plano e construção de um planejamento efetivo para os próximos 20 anos, que será executado na etapa seguinte. Nessa fase precisaremos muito da participação da comunidade nas reuniões regionais”, menciona a fiscal de Saúde Pública da Emasa, Tânia Pedrelli.

Por fim, ocorrerá a fase do prognóstico, ou seja, diante do cenário atual apontado no diagnóstico, serão traçados os objetivos e metas (de curto, médio e longo prazo), definidos no PMSB atual. Também serão discutidos os programas, projetos e ações necessárias para a universalização do serviço de saneamento já definidos pelo PMSB existente, quanto à sua manutenção, reordenamento e reprogramação; bem como as ações de emergência e contingência, e os mecanismos e procedimentos para avaliação sistemática da eficiência e eficácia das ações programadas. “Vale ressaltar, que o plano deve ser feito levando em conta as legislações e resoluções ambientais vigentes e demais instrumentos de gestão do município, como o PPA, LDO e LOA. E de acordo com a capacidade financeira do município, não pode prever algo que não tenha condições de fazer, por isso é um planejamento”, completa Tânia Pedrelli.

O PMSB deve estar amparado pela Lei Federal 14.026/2020 (Política Nacional de Saneamento) e Lei Federal 12.305/2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos), bem como a Lei Ordinária Municipal nº 3.603/2013, na qual dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico de Balneário Camboriú. Também precisa estar em consonância com o Plano Diretor, com os objetivos e as diretrizes do Plano Plurianual (PPA), com o Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Camboriú, com demais legislações ambientais, de saúde, de educação, bem como devem ser compatíveis e integrados com todas as demais políticas públicas, planos e disciplinamentos do Município relacionados ao gerenciamento do espaço urbano.


Emasa
(47) 3261-0000

Diretoria de Comunicação
Jornalista Renata Furlanetto
Foto: Arquvio PMBC

  www.instagram.com/prefeituradebc  
www.bc.sc.gov.br  

FOTOS

Comente com o Facebook
Redação SC Hoje
Redação SC Hoje
DÊ SUA OPINIÃO SOBRE A QUALIDADE DO CONTEÚDO QUE VOCÊ ACESSOU. Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e envie sua mensagem por e-mail [email protected] ou pelo WhatsApp 48 99805.5030
- Advertisment -

Mais Lidas

Enviar mensagem
Envie FOTOS, VÌDEOS, ÁUDIOS, DENÚNCIAS ou sugestões de pauta para a equipe da redação!