Importância da prevenção ao câncer colorretal é destaque em sessão da Alesc


A sessão da Assembleia Legislativa de Santa Catarina desta quinta-feira (24) teve como destaque a necessidade de ações preventivas ao câncer colorretal. O assunto foi trazido pelo médico Guilherme Buchen, que preside a Associação Catarinense de Coloproctologia (ACCP), dentro das ações do Março Azul Marinho, como ficou conhecido o período de ações relativas ao enfrentamento e prevenção da doença.

Proctologista dos hospitais Santa Isabel, em Blumenau, e Baía Sul, em Florianópolis, e professor da Universidade Regional de Blumenau (FURB), Buchen teve participação no plenário oportunizada pelo deputado Ricardo Alba (PSL). De acordo com o médico, o câncer de intestino tem alta incidência no Brasil, com cerca de 40 mil diagnósticos anualmente. “É a segunda maior causa de câncer, ficando atrás apenas do de mama entre as mulheres e de próstata entre os homens”, comentou.

Segundo o proctologista, a prevenção é feita pela colonoscopia e pelo exame de sangue oculto nas fezes.  “Temos que explicar isso para a população, pois a prevenção é fundamental. É algo que começa com uma lesão benigna, o pólipo, e entre cinco a dez anos, vai crescendo até virar câncer”, citou informando que os exames devem ser solicitados pelos médicos para pacientes a partir dos 40 anos de idade.

A prevenção, na opinião do presidente da ACCP é estratégica também para os cofres públicos. “O Estado pode economizar, pois um paciente diagnosticado custa cerca de R$ 80 mil, valor muito expressivo que pode ser evitado por meio de exames com custo muito baixo. Se conseguirmos prevenir essa doença, creio que vamos ter um melhor emprego do dinheiro público em Santa Catarina. No ano passado, o Estado gastou cerca de R$ 5 bilhões, 15% do Orçamento em saúde pública”, destacou.

Buchen fez um apelo para que o Estado não seja apenas reativo diante de certas doenças. Para ele, é importante que a classe médica possa “conversar e discutir junto às secretarias de Estado e dos municípios as estratégias eficientes para prevenção de um câncer de alta incidência.” Presidindo a sessão, o deputado Maurício Eskudlark (PL) afirmou que vê o tema como de grande relevância. “Coloca a Alesc à disposição para trabalhos de orientação e divulgação”, afirmou.

Florianópolis
Outro tema destacado no plenário foi o aniversário de Florianópolis, que comemorou no dia anterior 349 anos. O assunto foi citado pelo deputado Silvio Dreveck (PP). “A capital de todos os catarinenses tem aproximadamente 506 mil habitantes e atrai turistas não só de Santa Catarina e do Brasil, mas do exterior. É uma cidade que tem uma economia diversificada, principalmente no turismo e na prestação de serviços”, explicou.

Na opinião do parlamentar, Florianópolis se destaca ainda por ter uma “gastronomia exemplar, arquitetura que mantém as tradições açorianas e portuguesas, entre outras”. De acordo com ele, Santa Catarina tema sexta maior economia do Brasil com “um território pequeno”, onde a “capital é uma atração”, ainda no setor de eventos públicos e privados e pelas belezas naturais, com “praias e contraste da mata verde com o mar azul”, além de um povo ordeiro e trabalhador, tanto o servidor público quanto o que trabalha na atividade particular. “Muitas vezes se cria uma imagem de que não se trabalha em Florianópolis. Muito pelo contrário, é uma capital de muito trabalho e que é exemplar para Santa Catarina e para o Brasil”, concluiu.

Comente com o Facebook