Estudantes da Rede Municipal participam do Concurso Canguru de Matemática


A Rede Municipal de Educação de Chapecó está participando do Concurso Canguru de Matemática, o qual envolve cerca de 5.300 estudantes, do 3º ao 9º ano do Ensino Fundamental, de 31 escolas que se inscreveram na competição. O Canguru de Matemática é o maior concurso internacional de matemática do mundo, teve origem na França e é realizado no Brasil desde 2009.

A aplicação das provas, que iniciou no dia 17 e se encerra no dia 23, compõe uma das etapas do concurso, pois as questões que são realizadas antes da prova incentivam atividades e aulas mais dinâmicas e significativas e podem ser estendidas ao longo do planejamento anual, como explicou o articulador de Matemática, Guilherme Vogt.

Nauana Ferreira Giacomelli, aluna do 7º ano, da EPC Cyro Sosnosky, contou que se preparou para a prova, “eu estudei bastante para essa prova que tem vários pontos positivos. Com a professora Fernanda, realizamos vários exercícios para praticar e saber como seria o Concurso Canguru. É a primeira vez que estou participando de uma prova assim e me sinto bem animada!”. O Professor Diego De Bastiani, que atua na mesma instituição e é professor do 5º ano, explica que a prova exige muito raciocínio lógico e muita interpretação. “A gente tentou, nesse período da prova, abordar algumas questões mais lógicas e de interpretação dos problemas matemáticos, pois elas são fundamentais, não só para o desenvolvimento da prova, mas para o desenvolvimento dos estudantes em sala de aula”, disse o professor.

Complementando, o professor de matemática, Paulo Cezar Martins, da EBM Jacob Gisi, destaca que o papel da Secretaria de Educação é fundamental. Segundo ele, a orientação repassada, o auxílio e o estímulo dado foi fundamental para a escola aderir ao Concurso. “Essa prova não é só cálculo, ela faz pensar, exige muito mais lógica, tem a interpretação da questão e das figuras, então, é esse conjunto que leva à resposta e é isso que a gente busca ensinar”, expôs ele. O aluno de Paulo, Gabriel Damo Gudiel, do 9º ano, após realizar a prova, contou: “Foi parecido com o simulado… Eu achei uma prova difícil de entender porque usava palavras mais formais, mas foi bem legal porque a gente acaba tendo mais conhecimento e aprende a lidar com esse modelo de avaliação. Eu espero alcançar um bom resultado”.

Para a Secretária de Educação, Astrit Tozzo, a prova busca envolver ainda mais os estudantes com a matemática, apresentando o componente de uma outra forma. “O resultado positivo nós já temos que é o envolvimento dos professores e estudantes em aprender coisas novas e ver a organização que as escolas apresentaram. Se as notas forem boas, ficaremos ainda mais satisfeitos”, finalizou Astrit.

Comente com o Facebook