Memória Digital: A história de um pioneiro


Gottlieb Reif nasceu em 2 de outubro de 1852, em Schwallungen, Grão-Ducado de Meiningen, na Alemanha. Veio para o Brasil aos 4 anos em companhia dos pais. A família fixou residência na região onde hoje estão os bairros Itoupava Norte e Fortaleza. Já moço, era dono de uma canoa que conduzia o Dr. Blumenau a Itajaí, ida e volta. Gottlieb Reif passou a ser proprietário de uma velha serraria, comprada do fundador. Casou-se com Catarina Wendt, nascida em 29 de setembro de 1856, em Independência, no Rio de Janeiro, filha dos imigrantes Heinrich Wendt e Ana Ballque.  Gottlieb e Catarina tiveram nove filhos. A grande enchente de 1880 trouxe prejuízos e Gottlieb vendeu a serraria para Claus Steen e construiu outro engenho de serrar. Em 1883, requereu a sua naturalização. Em 1885, foi à Alemanha, onde adquiriu uma caldeira marca Wolf que veio a ser a primeira em toda a Colônia Blumenau. Desde o início da colonização, os blumenauenses sonhavam com uma estrada que ligasse a sede da Colônia a Lages, no Planalto. E, 1888, Gottlieb Reif contratou com o Governo Imperial a abertura de uma estrada para cargueiros e cavaleiros entre Rio do Bugre (depois Aquidaban e, hoje, Apiúna). Só depois de 18 meses concluiu a grande tarefa, mas acabou não recebendo o valor do contrato do Governo Imperial. Para honrar os compromissos assumidos financeiramente com os trabalhadores, vendeu as suas propriedades. Somente depois de dois anos, já então no regime republicano, Gottlieb recebeu o seu dinheiro. Em 1892, ele deixou Fidélis, indo morar na Itoupava Seca. Importou uma nova máquina a vapor, um loco móvel Wolf, e construiu um prédio bem maior para uma serraria. Fabricava caixinhas para charutos, tinha moinho de milho e um engenho de açúcar. Participou da Revolução de 1893 no posto de capitão. De 1895 a 1897, Gottlieb envolveu-se na construção de muitos trechos de estradas. Em fevereiro de 1901, foi eleito vice-presidente do Conselho Municipal de Blumenau. Foi morar em Itajaí e comprou uma grande fábrica de artefatos de madeira para caixinhas de charutos. Seus artigos foram muito elogiados na Exposição Nacional do Rio de Janeiro, sendo premiado com medalha de ouro. Instalou, também, um estaleiro para construção de embarcaçães. Em 1908, sofreu um acidente causando-lhe graves ferimentos. Em 1923, festejou suas Bodas de Ouro. Em 19 de agosto de 1927, faleceu. Na imagem de 26 de dezembro de 1898, Gottlieb Reif está coma a esposa. (Fonte: Secretaria Municipal de Cultura e Relações Institucionais de Blumenau / Arquivo Histórico José Ferreira da Silva / Acervo iconográfico – Fundo Privado – Famílias – Família R – Reif – cla: 2.R.5.2b. / Revista Blumenau em cadernos – tomo XIII, nº 8, agosto/1972, p.141)

postada em 10/12/2021 16:13 – 40 visualizações

Fotos

Comente com o Facebook