Deputados cobram reformas de escolas e recuperação de rodovias


Parlamentares cobraram a reforma de escolas e a recuperação de rodovias federais e estaduais durante a sessão de quarta-feira (10) da Assembleia Legislativa.

“Chega a ser dramático porque nas escolas as pessoas já estão na fase de perder a esperança, tantos anos esperando a obra que a esperança deu lugar ao desprezo”, declarou Luciane Carminatti (PT), aludindo às reformas de prédios escolares reclamadas há tempos pelas comunidades.

Segundo a deputada, de uma lista de prioridades com 100 escolas, foram escolhidos 60 educandários para verificar na Secretaria de Estado da Educação (SED) se havia previsão de início das obras.

“Das 60, apenas uma veio com indicação de que estava em fase de licitação. As outras 59 vieram com resposta iguais ‘em fase de elaboração de projeto’, ‘em análise de viabilidade pela SED’, ou seja, estão na gaveta”, reclamou Carminatti, que sugeriu à SED constituir uma força-tarefa para destravar as reformas.

“Dinheiro não é problema”, indicou Carminatti.

Kennedy Nunes (PTB), que presidiu a sessão, concordou com Carminatti e criticou o ex-secretário da Educação.

“Em 2020 as escolas todas ficaram fechadas, mas o antigo secretário não fez as reformas”, disparou Kennedy.

Já o deputado Adrianinho (PT) voltou a reivindicar a recuperação das BRs 163, 282 e 470, além de várias rodovias estaduais que cortam o Oeste barriga verde.

“É grande a dificuldade para escoar a produção na BR-163, que é a porta de entrada da Argentina para Santa Catarina e vice-versa. É preciso uma operação tapa-buraco porque não dá mais para transitar”, relatou Adrianinho, que  também citou o trecho entre Irani e Ponte Serrada na BR-282, bem como toda a extensão da BR-470.

“O governo federal não assume sua responsabilidade de fazer os investimentos necessários nas rodovias. Qual o retorno que as BRs têm do governo federal? Os últimos investimentos foram do governo Dilma”, ironizou o parlamentar, que cobrou a bancada federal. “Os deputados federais e senadores precisam fazer esse debate”.

No caso das rodovias estaduais, Adrianinho citou a SC-159, em São Bernardino; a SC-161, entre a divisa do Paraná e Palma Sola; a SC-305, que liga Campo Erê a São Lourenço do Oeste; a SC-482, em Coronel Martins; a SC-480, entre Xanxerê a Bom Jesus; a SC-155, de Bom Jesus a Abelardo Luz; a SC-283, que liga Concórdia, Seara e Chapecó; a SC-155, que liga Xanxerê, Xavantina e Seara; e a SC-479, de Ipuaçu a Entre Rios.

Segurança pública
Coronel Mocellin (PSL) condenou na tribuna o que chamou de discurso de ódio contra a Polícia Militar, que recai principalmente sobre os coronéis da corporação, e garantiu que se trata de desinformação sobre os policiais militares.

Segundo o coronel reformado, os policiais enfrentam uma carga pesada no trabalho, com grande perda de profissionais em serviço, em proporção maior que qualquer outra profissão.

Sobre o suicídio de policiais, Mocellin garantiu que há um programa de prevenção, que está sendo aplicado pela Diretoria de Saúde e Promoção Social da PMSC.

“É a melhor segurança pública do Brasil”, pontuou Mocellin.

Sargento Lima (PL) concordou com o diagnóstico de melhor polícia do Brasil, mas ponderou o pacifismo do barriga verde.

“A natureza pacífica e ordeira do povo catarinense é um dos principais motivos. Fora de Santa Catarina o empresário constrói o muro, contrata segurança e só depois começa a construir a empresa; em Santa Catarina primeiro constrói a empresa”, comparou Lima.

O deputado lembrou o baixo efetivo e avaliou que nos lugares em que o estado não está presente, o crime acaba ocupando o espaço. Lima citou o caso do bairro Itacolomi, em Balneário Piçarras, que registra alta incidência de furtos e roubos.

“O posto policial do bairro foi fechado, estamos caminhando para trás, onde tinha uma base, hoje não tem mais nada”, lamentou.

Comente com o Facebook