Avança projeto de Residência Inclusiva em Santa Rosa do Sul


A deputada Paulinha (sem partido) abraçou neste ano mais uma causa social. Com determinação, ela já acolheu a bandeira para edificar as paredes da primeira residência inclusiva para pessoas com deficiência. A decisão foi tomada pela sua sensibilidade com causas que lhe emocionam e lhe tocam o coração.

“A Covid levou muitos dos nossos idosos. Alguns deles, país de pessoas com deficiência, eram seus únicos guardiões. E agora esses filhos de Santa Catarina estão sem acolhimento. Temos também, infelizmente, casos de abandono e maus tratos. Não podemos mais fechar os olhos a esta realidade”, repetiu essas palavras para uma plateia de mais de 700 líderes catarinenses, na segunda edição do Encontro de Líderes do movimento #juntos.

Neste dia, sábado, dia 23, Paulinha reuniu líderes de todos os cantos do país, 40 prefeitos, mais de 100 vereadores, sete secretários de Estados, secretários municipais, representantes comunitários e empresariais e para coroar, contou com o prestigio do Governador Carlos Moisés e sua esposa, Késia.

Aliás, Késia já computou apoio ao projeto de residência inclusiva, que está prestes a se tornar uma realidade.  

Em Santa Rosa do Sul uma verdadeira corrente do bem floresce por essa causa, pelas mãos do vereador Jailson Mota Luiz, do prefeito Almides da Rosa, da Andreia Soterio, idealizadora do projeto, com apoio de mais de 15 Apaes, vereadores de várias cidades, associações, empresários, líderes comunitários e imprensa regional.

“Vamos erguer as paredes de uma residência inclusiva, com a graça de Deus”, anunciou.

Através da Escola de Líderes de seu mandato está sendo edificado o projeto de residência inclusiva para o extremo sul catarinense, orçado em investimentos de mais de R$ 2 milhões.  

Essa luta iniciou pelas mãos de Andreia Soterio, presidente da Apae de Santa Rosa do Sul, e de Flaviana Rocho, mãe de um autista não verbal de 10 anos. “Juntas, essas mulheres querem um futuro inclusivo para crianças, jovens e adultos especiais”, comentou.

O projeto de residência inclusiva para atender as pessoas com deficiência surgiu exatamente pela necessidade de ter um lugar seguro ofertados para elas. Essa unidade vai oferecer Serviço de Acolhimento Institucional para jovens e adultos com deficiência, em situação de dependência, que não disponham de condições de autossustentabilidade ou de retaguarda familiar.

A luta de Andreia e Flaviana teve acolhimento. Elas já conseguiram um terreno doado pela prefeitura de Santa Rosa do Sul e agora buscam apoio para a sua construção.

Valquiria Guimarães
Assessoria de Comunicação
Deputada Paulinha
048 991047676

Comente com o Facebook