De Office Boy à especialização em combate à violência doméstica


Carlos Alberto Veloso nasceu em Florianópolis e foi criado na comunidade do Monte Serrat, onde residiu até 2003. Cacá, como é conhecido por colegas e amigos, é servidor da Prefeitura de Florianópolis há 33 anos, participou de projetos sociais e desde cedo sentiu que esta seria sua atuação, promovendo direitos nas áreas sociais.
 
Ainda adolescente participou de um projeto intitulado “Grupo Pinheiros”, que proporcionava alternativas por meio de esporte e lazer para crianças e adolescentes moradoras do Maciço do Morro da Cruz e aos 16 anos já era coordenador deste grupo junto com outros adolescentes.
 
Trajetória na Prefeitura começa como Office Boy: 
 
Em 1987 Carlos participou de um curso para office boy. Na época o projeto atendia adolescentes das periferias da Capital. No ano seguinte, começou a estagiar na Secretaria de Administração de Florianópolis, e em 1991 passou no concurso municipal para auxiliar administrativo. Mais tarde, entrou para o Conselho Tutelar e quatro anos depois para a equipe de atendimento no CAPS.
 
Em 1999 ele entrou para a Secretaria em que está atualmente, a Secretaria de Assistência Social de Florianópolis. Na época, atuou como técnico de atendimento a denúncias de violações de direitos à crianças e adolescentes. Em 2001 ele se formou em pedagogia, e em 2005 concluiu Pós-Graduação em Combate a Violência Doméstica e Exploração Sexual de Criança e Adolescentes, pela USP.
 
Garantia de direitos de Promoção à Igualdade Racial de Florianópolis
 
O jovem negro, nascido em uma comunidade de Florianópolis, continuou sua trajetória agora para a promoção de direitos à igualdade racial. Carlos, em 2013, começa a atuar como Secretário Executivo do Conselho Municipal de Promoção à Igualdade Racial de Florianópolis. O Conselho começou ali a fazer parte de sua trajetória profissional e ainda este ano ele segue em atuação. 
 
O pedagogo comenta que atuar contra o racismo é muito importante para sua história pessoal e profissional. “É uma importante e cotidiana luta para movimentos sociais organizados, principalmente na identificação do racismo velado em Florianópolis”, comenta Carlos. 
 
Aqui quem fala é o samba
 
Cacá tem ainda duas paixões: o carnaval e o seu time de coração, o Avaí. “Tenho orgulho de ter sido integrante da minha escola de samba Embaixada Copa Lord”, comenta. Para Carlos, as escolas de samba representam resistência cultural africana e brasileira e são um importante meio de identificação para jovens. 
 
A Prefeitura de Florianópolis, por meio da Secretaria de Assistência Social, possui cerca de 500 servidores, que assim como Carlos, atuam para promoção da garantia de direitos sociais na capital.

galeria de imagens


Comente com o Facebook