Paulinha alerta para 300 mil empregos que podem ser extintos na pesca com exploração de petróleo

Notícias de Santa Catarina - SC HOJE News


A discussão a respeito da concessão de blocos exploratórios de petróleo e gás natural, realizada pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e que pode causar impactos permanentes na costa catarinense, chega nesta segunda-feira (4), em Itajaí. O assunto pauta a audiência pública promovida pela Câmara de Vereadores do município às 19h. 

Mais de 1,5 milhão de catarinenses já aderiram às petições que estão nas redes sociais pedindo a interrupção do leilão que quer explorar petróleo e gás no litoral catarinense. Quem informa é a  deputada Paulinha (sem partido).

Coordenadora da Frente Ambientalista Parlamentar, ela defende a imediata interrupção da 17ª rodada de leilões para exploração de petróleo e gás em Santa Catarina.

Ela alerta ainda que não existem estudos técnicos preliminares a respeito do assunto e prevê um cenário nebuloso com a extinção de até 300 mil empregos em Santa Catarina. “Uma pesquisa feita pelo Instituto Internacional Arayara indica que podem ser perdidos até 300 mil empregos da cadeia produtiva da pesca em Santa Catarina, caso seja instalada a logística para exploração de petróleo e gás natural no litoral de Santa Catarina.”    

Em contagem regressiva para 7 de outubro, data agendada para a 17ª rodada de leilões para a concessão de áreas de petróleo e gás no litoral de Santa Catarina, a deputada Paulinha destaca que o movimento #MarSemPetróleo ganha engajamento de peso como os 81 vereadores, que aderiram ao processo judicial movido pelo Instituto Arayara solicitando a suspensão do Leilão da ANP no dia 7 de outubro.

Além de Itajaí, a rodada de discussão se intensificou nos municípios litorâneos.  Aconteceram audiências públicas em Garopaba, Araranguá e Bombinhas na semana passada.

Vinte e nove municípios do litoral catarinense  correm o risco direto de sofrerem impactos ambientais ocasionados pela atividade petrolífera em Santa Catarina. Vale destacar que Santa Catarina tem o maior polo pesqueiro do país, com 337 localidades onde ocorre a pesca artesanal. “Santa Catarina possui mais de 130 espécies de peixes comercializados. A pesca da tainha corre o risco de acabar”, disse a parlamentar.

Sem falar dos danos ambientais, alerta.  “ Corremos  o risco de lidarmos com vazamentos de petróleo, como o ocorrido no litoral do Nordeste, em agosto de 2019, que causou um enorme prejuízo econômico (turismo e pesca), na saúde e para a biodiversidade”.

Em 5 de agosto, Paulinha coordenou a audiência pública, que discutiu “Os impactos econômicos e socioambientais da exploração de petróleo no litoral catarinense”. Entre os encaminhamentos está o abaixo assinado virtual #MarSemPetróleo, que está ganhando engajamento nas redes sociais. 

Para votar e se engajar,  basta acessar os links  http://chng.it/mvbMdsnt.

Petição #SOSLitoralSC https://soslitoralsc.arayara.org/

Petição #SalveBaleiaAzul

https://salveabaleiaazul.arayara.org/

Petição #SalveNoronha https://salvenoronha.arayara.org/

Valquiria Guimarães

Assessoria de Comunicação

Deputada Paulinha

048 991047676

Comente com o Facebook