Mais de 80 vereadores aderiram ao movimento #MarSemPetroléo

Notícias de Santa Catarina - SC HOJE News


Novamente, a deputada Paulinha (sem partido) defendeu a interrupção da 17ª rodada de leilões para a concessão de áreas de petróleo e gás nas águas oceânicas frontais ao estado de Santa Catarina. Ela destacou que o movimento #MarSemPetróleo ganha engajamento de peso como os 81 vereadores, que aderiram ao processo judicial movido pelo Instituto Arayara solicitando a suspensão do Leilão da ANP no dia 7 de outubro.

Paulinha foi taxativa ao afirmar que é importante a mobilização de todos para salvar o litoral catarinense até esta data, dia 7 de outubro.

Nesta pegada, quatro audiências públicas acontecem na próxima semana nos municípios de Garopaba, Bombinhas, Araranguá e Itajaí.  Todos os eventos organizados pelas Câmaras de Vereadores querem debater os impactos socioambientais do leilão de exploração de petróleo em Santa Catarina.

A rodada de discussões inicia segunda, dia 27, às 19h, em Garopaba. Dia 29, quarta, às 19h, em Araranguá. Na Quinta, dia 30, às 14h, em Bombinhas. E encerrando, sexta, dia 01, em Itajaí, às 14h.

“Recentemente os organismos da pesca artesanal e industrial se aprofundaram nesses estudos e a gente apurou que estamos de fato com o risco de perder a economia pesqueira, são mais de 300 mil pescadores. A atividade exploratória de petróleo traz danos irreversíveis. Pedimos a interrupção do leilão até que estudos sejam feitos, mais de 1,5 milhão de catarinenses estão dizendo que querem a interrupção do leilão”, garantiu Paulinha que abraçou essa pauta preocupada com o futuro do setor da pesca e do turismo catarinense.

Paulinha enumera problemas como o fato da ANP tem realizado somente uma única audiência pública para discutir esse assunto. “ Um evento que aconteceu no Rio de Janeiro no dia 03 de fevereiro deste ano e que não contou com nenhum representante do Estado de Santa Catarina”, disse. Sem falar, que não existem estudos técnicos preliminares a respeito do impacto ambiental para o litoral catarinense, repetiu.

Vinte e nove municípios do litoral catarinense  correm o risco direto de sofrerem impactos ambientais ocasionados pela atividade petrolífera em Santa Catarina.  Vale destacar que Santa Catarina tem o maior polo pesqueiro do país, com 337 localidades onde ocorre a pesca artesanal. “ Santa Catarina possui mais de 130 espécies de peixes comercializados. A pesca da tainha corre o risco de acabar”, disse a parlamentar.

Sem falar dos danos ambientais, alerta.  “ Corremos  o risco de lidarmos com vazamentos de petróleo, como o ocorrido no litoral do Nordeste, em agosto de 2019, que causou um enorme prejuízo econômico (turismo e pesca), na saúde e para a biodiversidade”.

Em 5 de agosto, ela coordenou a audiência pública, que discutiu  “Os impactos econômicos e socioambientais da exploração de petróleo no litoral catarinense”. Entre os encaminhamentos está o abaixo assinado virtual #MarSemPetróleo que está ganhando engajamento nas redes sociais. 

Para votar e se engajar,  basta acessar o link  http://chng.it/mvbMdsnt.

Encaminhamentos
Paulinha pontuou ainda as outras iniciativas que buscam garantir apoio ao tema no Estado.
Citou o lançamento da carta aberta de Florianópolis, um verdadeiro manifesto público para sensibilizar e apelar ao Governo Federal e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis para a realização de uma audiência pública, com devida amplitude no âmbito nacional que o tema carece, com a participação dos representantes dos Estados envolvidos e, de quebra, a suspensão  imediata da 17ª rodada da ANP até que sejam conclusos todos os estudos técnicos referentes ao tema foi o resultado efetivo de mais de duas horas de intenso e esclarecedor debate a respeito do impactos da exploração de petróleo no litoral catarinense.

“Buscamos ainda o envolvimento efetivo dos órgãos fiscalizadores, como o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e no Ministério Público Federal (MPF)”, disse a deputada Paulinha.  “Apelamos para que  o MPSC e o MPF acompanhem a ação judicial que pede o cancelamento do leilão até que as etapas legais sejam cumpridas.”

E mais um dado preocupante se soma aos impactos que a exploração de petróleo e gás se torne uma realidade no litoral catarinense. Cerca de 300 mil pessoas podem perder seus empregos caso isso acontecer.

Valquiria Guimarães
Assessoria de Comunicação
Deputada Paulinha
(48) 991047676

Comente com o Facebook