Música e arte integram programação do Setembro Amarelo em Joinville


Até o fim deste mês, quem passar pelo Centro de Atendimento ao Cidadão (CAC) pode conferir a exposição “Ressignificação do Ser” que reúne trabalhos artísticos como pinturas, artesanatos e esculturas em gesso, elaborados por usuários do Serviço Organizado de Inclusão Social (SOIS) e dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS).

A abertura da exposição foi na segunda-feira (13/9), e faz parte da programação do Setembro Amarelo, dedicado à prevenção do suicídio, e o início da Semana Municipal de Conscientização e Orientação sobre Saúde Mental. Para marcar a data, a Secretaria da Saúde de Joinville (SES) reuniu servidores, profissionais e usuários da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) em um momento de música e arte.

Uma das atrações oferecidas ao público foi a apresentação do grupo MusicalMente. Criado em 2018, o conjunto é formado por usuários e servidores da RAPS que desenvolvem as atividades musicais em uma das oficinas oferecidas pelo serviço. Além de vozes, fazem parte do MusicalMente instrumentos como teclado, violão, flauta transversal, violino e percussão.

De acordo com a gerente de Serviços Especiais da SES, Flávia Schwinden Müller, o evento teve como objetivo despertar a atenção dos profissionais e da comunidade para a importância do tema discutido no Setembro Amarelo.

Outro assunto em pauta durante a programação é a saúde mental das crianças e adolescentes. “É importante chamarmos a atenção de todos e voltarmos o olhar para a saúde mental e para o mês de prevenção ao suicídio. Além disso, outro tema relevante desta semana é voltado às crianças e adolescentes que passaram por um período difícil desde o início da pandemia, ficando em casa, sem o convívio com outras pessoas. Estamos atentos agora, com a volta às aulas”, destaca a gerente.

Saúde mental em Joinville

De acordo com a Secretaria da Saúde de Joinville, embora o número de buscas por atendimento junto aos serviços da Rede de Atenção Psicossocial tenha diminuído neste ano, os casos estão mais graves.

Atualmente, cerca de mil usuários são acompanhados pelos CAPS e pelo SOIS, em Joinville.

Segundo Flávia, em casos de problemas relacionados à saúde mental, o atendimento profissional deve ser buscado o quanto antes, tão logo a pessoa perceba sinais de desconforto emocional e psicológico.

No entanto, muitas vezes essa ajuda precisa vir de amigos e familiares próximos ao observarem mudanças de comportamento como tristeza persistente, isolamento social, choro sem motivos aparentes e falta de apetite.

E ela reforça: “Por isso, queremos aproveitar o Setembro Amarelo para tocar a comunidade sobre a importância da prevenção ao suicídio e conscientizar a todos que depressão precisa de atenção e orientação profissional”.

Joinville oferece atendimento em rede especializada

A Rede de Atenção Psicossocial da Secretaria da Saúde de Joinville conta com serviços interligados e direcionados ao atendimento de diferentes públicos, compostos por equipes multidisciplinares que incluem psicólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, enfermeiros e técnicos de enfermagem e médico psiquiatra.

Os casos leves e moderados podem ser atendidos nas Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSF).

Já em situações avaliadas como moderadas a graves são encaminhadas para as unidades dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), que também atendem a diferentes tipos de transtornos.

O CAPS II – Nossa Casa, e o CAPS III – Dê-Lírios, atendem pessoas maiores de 18 anos com transtornos mentais graves, crônicos e persistentes.

Para o CAPS AD – Álcool e Drogas são encaminhados os usuários com transtornos decorrentes do uso abusivo de álcool e outras drogas.

E o CAPS IJ – Infanto Juvenil – Cuca Legal, atende a crianças e adolescentes de zero a 18 anos incompletos com transtornos mentais graves e persistentes ou crianças e adolescentes usuários de álcool e outras drogas.

A Rede conta, ainda, com o Serviço Organizado de Inclusão Social (SOIS) que oferece reabilitação e inclusão social; com as Residências Terapêuticas, que são moradias para usuários egressos de longo período de internação hospitalar, e a Unidade de Acolhimento, moradia transitória, onde o usuário pode permanecer por até seis meses.

Endereços dos locais de atendimento

CAPS II
Local: Rua Pernambuco, 115, Anita Garibaldi
Horário: segunda a sexta, 7h às 18h

CAPS III
Local: Rua Tubarão, 128, América
Horário: segunda a sexta, 7h às 19h

CAPS AD
Local: Rua Doutor Plácido Olímpio de Oliveira, 1489, Anita Garibaldi
Horário: segunda a sexta, 7h às 18h

CAPS IJ
Local: Rua Alexandre Schlemm, 275, Bucarein
Horário: segunda, terça, quinta e sexta, 7h às 18h; quarta, 7h às 17h

SOIS
Local: Rua Aracajú, 1368, Santo Antônio
Horário: segunda a sexta, 7h às 18h

Comente com o Facebook