Quatis que viviam no bairro Floresta são removidos para a Serra Dona Francisca


Desde 2017, um novo grupo de moradores passou a ocupar desordenadamente o bairro Floresta, em Joinville: os quatis. Devido à redução das áreas de mata da região, os animais passaram a ter menos espaço e menos oferta de alimentos para sobrevier. Com isso, acabaram se deslocando para o meio urbano, onde passaram a invadir locais como residências e empresas.

“O fato de as pessoas depositarem o lixo em locais de fácil acesso ou, até mesmo, ofertarem alimentos voluntariamente, fez com que os quatis se aproximassem das residências. Em uma ocasião, eles chegaram a invadir a cozinha de uma empresa da região e morderam a perna de uma funcionária”, relata o médico veterinário da Secretaria da Saúde de Joinville (SES), Jaime de Matos Júnior.

O crescimento da população dos quatis e os problemas que esses animais silvestres estavam causando motivaram o envolvimento de órgãos públicos como a Prefeitura de Joinville, por meio da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (SAMA) e da Secretaria da Saúde (SES), da Câmara de Vereadores e da Polícia Militar Ambiental (PMA), junto com a iniciativa privada, para remover a população animal para uma área de mata.

Após diversas tratativas e de ficar comprovado que a presença dos quatis era fator de risco para a espécie e para os moradores da região, o Instituto de Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) autorizou a captura e o deslocamento dos animais para a Serra Dona Francisca.

Ao longo de um ano, desde abril de 2020, foram capturados e deslocados 35 quatis. Antes da remoção, todos foram examinados e apresentaram resultados negativos para doenças como Cinomose canina, Leishmania sp., Leptospira sp. e Trypanosoma sp.

A empresa Amanco, cuja unidade localizada no bairro Floresta foi atingida pela invasão dos quatis, participou ativamente da ação, com fornecimento de armadilhas, custeio de testes laboratoriais e apoio ao trabalho realizado pelas equipes técnicas.

Conforme preconizado pelo IMA, após serem liberados em área de mata, os quatis ainda foram monitorados pelos técnicos da Vigilância Ambiental de Joinville, com o objetivo de garantir a segurança e a adaptação dos animais ao meio.

Moradores devem manter a prevenção e cuidado

Embora considerado pela SAMA e pela SES um assunto resolvido, as pessoas devem se conscientizar sobre a importância de não incentivar a aproximação dos animais, evitando problemas como o desequilíbrio ambiental e riscos à saúde.

“A autorização concedida pelo IMA para a captura dos quatis é válida até o final deste ano e essa permissão pode não voltar a acontecer. É importante as pessoas saberem que os quatis podem hospedar vírus ou doenças que podem ser transmitidas. Além disso, a superpopulação desses animais contribui para o desequilíbrio da cadeia alimentar, já que não há predadores naturais para absorver o excedente da população de quatis”, alerta o veterinário.

Até o mês de dezembro – prazo de validade da autorização do IMA para o deslocamento de quatis para a Serra Dona Francisca – os moradores do bairro Floresta que encontrarem algum animal, podem avisar a Vigilância Ambiental da SES, pelo telefone (47) 3433-1660, de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h30. Os técnicos do órgão farão a captura e tomarão as providências para devolver o animal ao seu habitat natural.

Comente com o Facebook