Coleta seletiva flex alcança adesão de 78% no Itacorubi


Com adesão de 78% dos condomínios do Itacorubi, a seletiva flex de orgânicos e de vidro completa três meses. Já são 95 condomínios residenciais que participam da coleta em quatro frações (recicláveis, só vidro, orgânicos compostáveis e rejeito), com população estimada de 20 mil pessoas.

Essa adesão é surpreendente, já que na década de 90, por exemplo, quando da implantação da seletiva de porta em porta, a adesão nos primeiros meses era quatro vezes menor, em torno de 20%.

Valorização de orgânicos

Nesse período, foram recuperadas 111 toneladas de restos de alimentos separados pelos moradores do Itacorubi. Foram 28,5 toneladas pelo sistema de bombonas e 82,7 toneladas por contentor modelo europeu e caminhão satélite.

Pelo sistema de bombonas, aliás, foram coletadas 88 toneladas de resíduos orgânicos em roteiros que incluem o Jardim das Garças, Cepon e Monte Verde (292 moradias atendidas por pontos de entrega voluntária), desde setembro do ano passado até agora.

 “A coleta seletiva de orgânicos dá saltos em Floripa. É pioneira e inovadora e ganha escala em velocidade surpreendente”, aponta o secretário municipal do Meio Ambiente, Fábio Braga.  Desde setembro do ano passado, quando começou a coleta pública já foram encaminhadas para o pátio de compostagem do Centro de Valorização de Resíduos (CVR) mais de 170 toneladas de resíduos orgânicos.

Já estão sendo coletadas 10 toneladas por semana e, com a ampliação no final de outubro para o Córrego Grande, vamos atender mais 20 mil pessoas, dobrando a quantidade coletada, antecipa o superintendente de Gestão de Resíduos, Ulisses Bianchini.

De acordo com a síndica Aretuza Fernandes Wernz Basso, no residencial Costa Sul, a adesão chega a 90% dos moradores.  “Nosso condomínio está muito bem, mas a meta é chegar a 100%, mais três meses e devemos chegar lá. Nosso desafio é trabalhar a repetição das informações, como se faz com filhos, explica-se várias vezes de formas diferentes”, afirma ela.

A principal dúvida dos moradores, aponta a síndica, é que se não lavar o reciclável, precisa colocar no rejeito. Ela não cansa de explicar que as embalagens devem estar limpas, mas não necessariamente lavadas. Os materiais devem ficar no fundo da pia, enquanto lava-se a louça, para que fiquem limpos sem desperdiçar água. Só embalagens muito sujas ou engorduradas são rejeito.

“Explicamos que nem tudo é rejeito, só que não tem jeito mesmo”, comenta Aretuza. Como tomaria muito tempo abordar o morador de porta em porta, o condomínio mantém pessoal bem informado para orientar no residuário.

Flex de vidro

Com o uso de compactadores na coleta seletiva, tornou-se necessária a separação e encaminhamento diferenciado do vidro. Além da rede de mais de 90 pontos de entrega voluntária e cinco Ecopontos, hoje a coleta pública só de vidro com caminhão satélite passou a atender de porta em porta o Itacorubi e vias gastronômicas (bares, padarias, restaurantes e condomínios residenciais) da área central e continente, Lagoa, Santo Antônio e Sul da Ilha.

Este ano em Florianópolis já foram coletadas e entregues para as associações de triagem, 1.584 toneladas de vidro. A seletiva de vidro tem dobrado nos últimos anos na cidade. Desse total, 76,5 toneladas foram no sistema de caminhão satélite de porta em porta.

Os quatro caminhões satélites desenvolvidos com elevador de forma inovadora para Floripa estão em operação desde junho e já movimentaram 159 toneladas no sistema monomaterial de vidro e orgânicos.

Capital que mais recicla

Floripa já é a capital que mais recicla, agora torna-se a primeira cidade do Brasil a ter coleta porta a porta nas quatro frações de resíduos:

– recicláveis (metal, plástico, papel e papelão)

– só vidro

– orgânicos compostáveis

– rejeito.

Floripa corre para alcançar metas lixo zero 2030, quando terá de recuperar 90% dos orgânicos e 60% dos recicláveis secos que hoje ainda vão para o aterro sanitário

A coleta seletiva flex é adaptada (equipamentos diferentes como caminhão satélite, contentores só pra vidro e só para orgânicos) para chegar mais perto e mais vezes até usuários.

Também é flexível porque combina a entrega voluntária com a coleta de porta em porta. Para cada bairro, a melhor solução em coleta seletiva. No Monte Verde é com baldinho e bombona, por exemplo.

A nova coleta atende 119 condomínios do Itacorubi, cerca de 20 mil pessoas.

Nesses condomínios, são feitas OITO COLETAS POR SEMANA – três de rejeito, duas de seletiva (papel, plástico e metal), duas de orgânicos compostáveis e uma só de vidro.

A coleta seletiva flex será estendida em outubro para nove bairros quando alcançará 17,5 mil unidades habitacionais, em torno de 50 mil pessoas, no Itacorubi, Córrego Grande, João Paulo, Sacos dos Limões, Carvoeira, Agronômica, Pantanal, Trindade e Santa Mônica.

A flex de vidro foi expandida para estabelecimentos comerciais nos seguintes roteiros (residenciais que estejam na rota podem aderir comprando contentores modelo europeu na cor verde).

Ampliação da coleta seletiva

A Prefeitura de Florianópolis, por meio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, ampliou a coleta seletiva em mais de 80 ruas este ano.

De acordo com a gerente da Coleta Seletiva, Tamara Gaia, com as ampliações de maio e junho, 6,4 mil domicílios foram incluídos no sistema de coleta de porta em porta, facilitando a entrega dos materiais recicláveis.Também foi duplicada a frequência da coleta seletiva em 12 bairros. Em bairros como Coqueiros, Bom Abrigo, Itaguaçu, Santa Mónica e Jardim Anchieta a produção da seletiva aumentou acima de 50%.

A coleta seletiva é feita pela Prefeitura de Florianópolis há mais de 30 anos. Toda produção é doada para sete associações de triadores instaladas em Florianópolis. Os galpões de triagem sustentam cerca de 200 famílias e 370 pessoas. Em 2020, a cidade ganhou mais de R$ 8 milhões com a coleta seletiva, entre o que deixou de gastar com aterro sanitário e a geração de renda pela reciclagem.

Roteiros de coleta de vidro em estabelecimentos comerciais

_sempre pela manhã_

Segunda-feira

Lagoa da Conceição, Praia Mole, Joaquina e Canto da Lagoa

Terça-feira

Ribeirão, Campeche e Rio Tavares 

Quarta-feira

Córrego Grande, Santa Mônica, Trindade e Itacorubi

Quinta-feira

Sambaqui, Santo Antônio e Cacupé

Sexta-feira

Coqueiros e Abraão

Sábado

Avenida Beira-mar Norte, Bocaiúva, Almirante Lamego, Avenida Hercílio Luz e Rua Victor Meirelles.

Condomínios residenciais que estejam na rota da seletiva flex de vidro podem aderir ao serviço de porta em porta, adquirindo contentores modelo europeu na cor verde. CLIQUE AQUI para acessar o mapa da seletiva só de vidro.

galeria de imagens


Comente com o Facebook