Após adiamento por causa da pandemia, Bienal de SP é aberta ao público

Inicialmente prevista para o ano passado e adiada por causa da pandemia de covid-19, a 34º Bienal de Artes de São Paulo começa neste sábado (4) no Pavilhão da Bienal, no Parque Ibirapuera, em São Paulo. A entrada é gratuita, mas o visitante precisa apresentar comprovante, impresso ou online, de que tomou pelo menos uma dose da vacina contra a doença.Notícias de Santa Catarina - SC HOJE NewsNotícias de Santa Catarina - SC HOJE News

A Bienal fica aberta até 5 de dezembro. Aos domingos, terças, quartas e sextas-feiras, a visitação é das 10h às 19h; aos sábados e às quintas-feiras, das 10h às 21h. É necessário chegar ao menos meia hora antes do fechamento.

Para esta edição, a curadoria da mostra escolheu o título Faz escuro mas eu canto, um verso do poema Madrugada Camponesa, publicado em 1965 pelo poeta amazonense Thiago de Mello. Segundo os curadores, o tema apresenta o campo da arte como resistência, transformação e ruptura frente a urgência dos problemas do mundo atual.

“O breu que nos cerca foi se adensando: dos incêndios na Amazônia que escureceram o dia aos lutos e reclusões gerados pela pandemia, além das crises políticas, sociais, ambientais e econômicas que estavam em curso e ora se aprofundam”, diz o texto assinado pelos cinco curadores: Jacopo Crivelli Visconti, Paulo Miyada, Carla Zaccagnini, Francesco Stocchi, Ruth Estévez.

Mais de mil trabalhos de 91 artistas integram a mostra. Além dos trabalhos expostos no prédio da Bienal, outros serão apresentados em instituições parceiras, havendo também intervenções temporárias fora do pavilhão, no Parque Ibirapuera. “Assim como o que se vê dentro do Pavilhão reverbera exposições que se relacionam com diferentes contextos urbanos, diversas obras da mostra convivem com o cotidiano do parque, ora integrando-se à sua paisagem, ora refletindo o seu papel como espaço icônico e simbólico”, diz o curador adjunto Paulo Miyada.

Uma das obras externas no parque é uma instalação de grandes dimensões em formato de serpente, colocada perto da fonte do lago, feita pelo artista, escritor e produtor cultural indígena da etnia Makuxi, Jaider Esbell (1979, Normandia, Roraima). No xamanismo indígena, a cobra é considerada um “animal de poder” e está presente como força de cura, regeneração e transformação.

Figuram entre as instituições parceiras desta bienal a Casa do Povo, no Bom Retiro, o Centro Cultural Banco do Brasil, no centro, e o Centro Cultural São Paulo, na região da Liberdade.

Os curadores destacam também a seleção equilibrada dos participantes entre artistas homens e mulheres, além dos 4% que se identificam como não binários, ou seja, não se enquadram em nenhum dos dois gêneros. Dentre os participantes, nove são indígenas de povos originários de diversas partes do mundo. Há ainda uma programação pública com apresentações musicais, performances e encontros com artistas.

Aniversário

A Bienal deste ano é também uma celebração dos 70 anos da mostra, cuja primeira edição foi em 1951.

“Ao longo dos últimos 70 anos, as bienais de São Paulo adaptaram-se aos tempos, e foram justamente a capacidade de mudança e a abertura ao novo que asseguraram que a mostra mantivesse a relevância artística e cultural. A 34ª Bienal de São Paulo, de alguma forma, simboliza isso: em tempos desafiadores, encontramos maneiras de nos mantermos fiéis à proposta desta edição sem, no entanto, ficarmos presos em ideias e projetos que haviam perdido sua pertinência no novo contexto global”, disse José Olympio da Veiga Pereira, presidente da Fundação Bienal de São Paulo.

Enunciados

A leitura das obras é guiada por 14 enunciados, objetos que apresentam pontos de vista e reflexões. Fazem parte desse conjunto três objetos do acervo do Museu Nacional, atingido por um incêndio no Rio de Janeiro em setembro de 2018.

Um dos objetos é uma rocha, que, devido à alta temperatura do fogo na ocasião, superando os 450 graus Celsius, foi transformada em ametista e citrino – tipo de quartzo. “Ao absorver indelevelmente o calor, a rocha tornou-se um indício, e sua cor, uma testemunha do que aconteceu. Transformou-se, mas é a mesma rocha. Continua sendo a mesma rocha porque soube transformar-se”, explica o texto da curadoria.

Também está presente o meteorito Santa Luzia, descoberto em 1921, que saiu completamente ileso do incêndio e uma boneca doada por um indígena da aldeia Karajá de Hawaló, na Ilha do Bananal, Tocantins. O item foi enviado ao museu para ajudar na recomposição do acervo da instituição. “Começar de novo pode ser também uma oportunidade de reiterar as parcelas dos pactos que fortalecem as partes envolvidas, criticando o que subjuga o saber de um povo à violência exploratória de outro”, acrescenta o material curatorial.

Mais informações sobre a mostra podem ser encontradas no site da 34ª Bienal.

Comente com o Facebook