Procon alerta para os principais golpes aplicados na cidade e dá dicas de como preveni-los


Munidos de muita persuasão e armadilhas tecnológicas, golpistas têm gerado prejuízos na cidade. O Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de Joinville alerta para os principais golpes aplicados no município e dá dicas de como não cair neles.

“Recebemos inúmeras queixas de golpes no Procon, todos os dias. O mais comum é o golpe do PIX por WhatsApp”, diz a gerente do Procon, Cristiane Berger.

O crime ocorre quando alguém, se fazendo passar por um membro da família ou amigo, manda uma mensagem dizendo que mudou o número de celular, clonando a foto utilizada pela pessoa que está fingindo ser. Diz que precisa de dinheiro para fazer um pagamento com urgência, e que vai devolver no dia seguinte o valor.

“A vítima, de boa fé, acaba caindo. Os valores, em geral, têm sido R$ 3 mil”, relata Cristiane.

Outro golpe muito frequente é o do empréstimo. O criminoso descobre que a vítima precisa de dinheiro e daí entra em contato, fingindo ser funcionário de um banco ou financeira. Ofertam determinadas quantias, mas pedem uma soma antecipada, referente a supostas taxas.

“Em um dos casos, foi ofertado a uma pessoa um empréstimo de R$ 45 mil e ela pagou R$ 6 mil antecipado. Nenhum banco ou financeira pede valor antecipado para oferecer empréstimo”, ensina a gerente do Procon.

Também é recorrente o golpe do boleto fraudado. Ao pesquisar na internet o site para pegar a segunda via de seus boletos, algumas pessoas clicam em anúncios. Esses anúncios podem levar a sites falsos, que imitam todo layout da página verdadeira. “Isso induz a pessoa ao erro e o consumidor acaba pagando o boleto que não é o seu”, afirma Cristiane.

Completando a lista das armadilhas mais aplicadas na cidade, está o golpe do cartão de crédito. A vítima recebe uma ligação que supostamente é do banco que ela tem conta, dizendo que o cartão foi clonado e que por isso ela tem que invalidar o cartão. O golpista acaba pedindo as senhas da pessoa e diz que vai passar um motoboy pra recolher o cartão.

Fique atento às dicas do Procon para evitar golpes

Nunca entregue seu cartão de crédito/débito para motoboys. Empresas operadoras de cartão de crédito não recolhem nada.

Jamais passe informações pessoais via WhatsApp para ninguém.

Quando um parente ou conhecido solicitar dinheiro via WhatsApp, ligue para a pessoa, certificando-se que é realmente o parente ou amigo que precisa de ajuda.

Sempre observe quando pesquisar em sites de busca se a página que está buscando é a correta. Cuidar com os anúncios – geralmente os primeiros sites que aparecem na pesquisa.

Observe ao pagar um boleto todos os dados do beneficiário para ter certeza que está pagando para a pessoa/empresa certa e não para um golpista.

Jamais passe senhas (cartão ou conta) por telefone e por WhatsApp ou mesmo em sites.

Desconfie de empresas que não conhece. É possível consultar essas empresas no site consumidor.gov ou ligando para o Procon, para saber se a empresa em questão tem muitas reclamações junto ao órgão.

O Procon está localizado no Centro de Atendimento ao Cidadão (rua Dr. João Colin, 2719, bairro Santo Antônio). Funciona das 10 às 16 horas, de segunda a sexta-feira, exceto feriados e pontos facultativos. Telefones: (47) 3481-5100, (47) 3481-5240 e (47) 98815-3195 (WhatsApp).

Comente com o Facebook