Batalhão da PMSC na Amfri e internet no campo ganham força na Alesc


Parlamentares defenderam a implantação de um batalhão da Polícia Militar (PMSC) na região da Foz do Rio Itajaí (Amfri) e a oferta de internet no campo na sessão de terça-feira (24) da Assembleia Legislativa.

“O desenvolvimento econômico depende da segurança nas cidades, a região da Amfri e do Vale do Rio Tijucas é gigantesca para um único batalhão. A ideia é que tenhamos um novo batalhão que organize a Costa Esmeralda e o Vale do Rio Tijucas, dando mais envergadura para enfrentar a criminalidade nesse ambiente”, avaliou Paulinha (sem partido).

A deputada informou que o governo deve anunciar a criação do novo batalhão nos próximos dias.

Já o deputado Valdir Cobalchini (MDB) fez a defesa enfática do projeto de lei que tramita na Casa e que destina R$ 50 mi para a implantação de sinal de internet no meio rural.

“A internet chega apenas até as sedes das propriedades, onde ficam os moradores, o problema para o agronegócio é que seria preciso que a conexão chegasse aonde as máquinas trabalham”, explicou o deputado.

Cobalchini também destacou o papel que a rede mundial joga na fixação dos jovens no campo.

“O projeto de lei de inclusão digital precisa ser aprovado com velocidade para tornar realidade a internet no campo”, justificou Cobalchini.

Tiago Frigo
O deputado Tiago Frigo (PSL) pronunciou o primeiro discurso como deputado, uma vez que assumiu a cadeira de Coronel Mocellin (PSL), licenciado do cargo por 60 dias.

Frigo ressaltou o apoio da mulher, do pai, da mãe e dos amigos na campanha eleitoral e agradeceu os cerca de 19 mil catarinenses que o escolheram como representante.

“Obrigado por acreditarem em mim para representá-los”, declarou Frigo, que defendeu a fiscalização dos pescados para evitar a falsificação de peixes.

“Vou ouvir as demandas da população, defendo o serviço público de qualidade em todas as áreas, menos burocracia, menos impostos e um ambiente de negócios que facilite a vida de quem empreende”, prometeu Frigo, que renovou o apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

Nilso Berlanda (PL), Moacir Sopelsa (MDB), Silvio Dreveck (PP) e Paulinha deram boas vindas ao jovem deputado e desejaram sucesso no exercício do mandato.

Governador no Sul
Paulinha noticiou que o governador Carlos Moisés cumprirá agenda no Sul do estado na quarta-feira. Segundo a parlamentar, serão anunciados recursos para a pavimentação da Serra do Corvo Branco, de trecho da SC-290, em Praia Grande, além da construção de novas escolas.

Reunião dos governadores
Sargento Lima (PL) destacou reunião dos governadores dos estados para se contrapor às investidas do presidente Jair Bolsonaro contra decisões do STF que contrariam interesses da família e de aliados.

“Reunião dos governadores é para distensionar uma corda, corda que não foi o presidente que tensionou”, analisou Lima, que criticou o encontro do governador João Dória, de São Paulo, com Carlos Moisés.

O deputado conclamou os evangélicos, policiais militares e as famílias e previu um 7 de setembro histórico com os apoiadores do presidente nas ruas.

“Muito fácil é nos chamar de gado, duro vai ser aguentar o estouro da boiada”.

Presos em situação degradante
Jessé Lopes (PSL) criticou decisão de juiz catarinense que libertou preso sob o argumento de que cumpria pena em situação desumana e degradante.

“Soltou um para ver se cola por questão degradante, um absurdo, mas o Ministério Público (MPSC) recorreu da decisão porque “não se pode dizer que os presos estejam em situação desumana e degradante”.

Frei Egídio
José Milton Scheffer (PP) destacou o centenário de nascimento de Frei Egídio, que ensinou no Seminário Servos de Maria, de Turvo, além de ter dedicado a vida em ajudar os pobres e as famílias de agricultores.

“Em 1947 veio para Araranguá, no extremo Sul, onde ficou até 1952, quando se mudou para Turvo, onde residiu no Seminário da Ordem dos Servos de Maria. Em agosto de 1976, aos 92 anos, faleceu em Turvo e está enterrado no cemitério local, onde é visitado por muitas pessoas”, informou Scheffer.

O deputado revelou que Frei Egídio é reconhecido como patrono da agricultura familiar.

“Diariamente cuidava do horto e dos agricultores familiares, sempre cultivou sua chácara e horta, ele dava orientação aos pequenos agricultores”.

SC sem representatividade
Bruno Souza (Novo) avaliou que Santa Catarina carece de representatividade no Congresso Nacional, razão pela qual o Tesouro estadual investirá mais recursos em obras federais que a própria União, haja vista o aporte de R$ 450 mi nas rodovias federais, contra um investimento de R$ 320 mi do governo federal em obras no estado.

“As bancadas esquecem de representar os seus estados, (representam o) lado “a” ou o lado “b” e esquecem de representar o lado SC”, ironizou Bruno, que responsabilizou Getúlio Vargas pela centralização existente no país.

Queima de arquivo
Kennedy Nunes (PTB) acusou o Supremo Tribunal Federal (STF) de tramar a morte de Roberto Jefferson.

“Parece que o STF está querendo matar Roberto na prisão, da outra vez que foi preso, derrubou a república, denunciou o mensalão do PT”, lembrou Kennedy, acrescentando que o ex-deputado, preso no escândalo do Mensalão, se recupera do nono câncer e de uma cirurgia bariátrica.

Agosto Lilás
Luciane Carminatti (PT) repercutiu na tribuna o chamado agosto lilás, dedicado a combater à violência contra a mulher, assim como os 15 anos de publicação da Lei Maria da Penha.

“A Lei Maria da Penha foi sancionada em 2006 e só existe por esforços do movimento feminista, o maior protagonista desta conquista. Todos os entes federados têm atribuições”, argumentou Carminatti, acrescentando que a lei aumentou a pena para o homem violento, criou o disque denúncia 180 e é considerada uma das mais eficazes leis de combate à violência contra a mulher no mundo.

Segundo Carminatti, os dados demonstram que nove mulheres são estupradas diariamente em Santa Catarina, além disso o estado registrou um aumento de 5% nas denúncias de violência contra a mulher nos primeiros meses de 2021.

“A violência é cultural e vem das nossas raízes patriarcais”.

Código Florestal nas cidades
Ivan Naatz (PL) anunciou que projeto de lei de autoria do deputado federal Rogério Mendonça (MDB/SC), que transfere para os municípios a responsabilidade de legislar sobre as áreas urbanas consolidadas, será votado na Câmara dos Deputados na próxima quarta-feira (1º).

“É a correção de um equívoco”, garantiu Naatz, aludindo à decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de aplicar regras do Código Florestal nas áreas urbanas consolidadas.

Retorno das aulas na Udesc
Bruno Souza fez entusiasmada defesa do retorno às aulas presenciais na Udesc.

“Temos a obrigação de discutir a nossa universidade, a reitoria da Udesc descentralizou o retorno, cabe aos diretores de centro decidirem quando retornam as aulas. A partir de agora temos de cobrar desses diretores para que retornem imediatamente”, propôs Bruno.

Comente com o Facebook