Programa Mama Nenê atende crianças de 42 CEIs municipais


A volta ao trabalho e a necessidade de levar o bebê para o Centro de Educação Infantil (CEI) de Joinville não é motivo para interromper o aleitamento materno. É que a Secretaria de Educação de Joinville, por meio do Serviço de Alimentação Escolar, desenvolve o programa Mama Nenê, com apoio da Secretaria de Saúde e Maternidade Darcy Vargas, desde 2008. Hoje, 42 CEIs participam da iniciativa.

Quando a mãe decide participar do programa, ela deve avisar a direção do CEI. A partir de então é realizada uma reunião entre a equipe envolvida no programa, inclusive com as nutricionistas, professoras de apoio pedagógico e também com as cozinheiras que atuam no lactário, espaço reservado para armazenar o leite. As mães recebem orientação, levam material informativo e preenchem um formulário de adesão ao programa.

As nutricionistas também falam sobre como as mães devem armazenar o leite em casa. “Explicamos sobre como fazer esse transporte até o CEI. O leite vai direto para o congelador do lactário. Orientamos sobre o tipo de vidro e a quantidade ideal. Além disso, tem que ter a identificação com o nome da mãe, da criança e a data da ordenha”, explica a nutricionista da Secretaria da Educação, Sabrina dos Santos Lentz Müller.

O leite materno é descongelado em banho-maria para manter os nutrientes e é ofertado para o bebê em pequenos copos e colheres. A mamadeira não é utilizada nos CEIs de Joinville. “Ela não é preconizada porque pode trazer problemas na dentição, entre outros”, afirma a nutricionista. Todas as cozinheiras também são orientadas sobre o processo, como devem avaliar os vidros de leite materno e as condições higiênico-sanitárias em que chegam.

A auxiliar de cozinha Pâmela Teixeira dos Santos, de 23 anos, participa do projeto. Ela leva o leite para alimentar a filha Ana Elisa, de 7 meses, no CEI Bianca Carolina Pinheiro, no Vila Nova.

“Ela veio para o CEI aos 4 meses, quando voltei a trabalhar. A gente sabe que o leite do peito é o mais saudável, é gratificante poder dar o que minha filha mais precisa”, disse a mãe. Pâmela contou que recebeu informações da equipe e ajudou muito. “Eu não sabia, por exemplo, que devo amamentar com o cabelo preso pra não ter nenhum risco de contaminação. É mais confiável quando tem nutricionista e toda a equipe auxiliando no que eu preciso”.

O leite materno, que contém cerca de 250 nutrientes, tem anticorpos e as crianças que recebem adoecem menos. Além disso, essa alimentação contribui para melhor desenvolvimento intelectual, mental e social da criança.

“O aleitamento materno é considerado padrão ouro de alimentação para criança. É também considerado a primeira vacina que estamos dando quando o bebê recebe o colostro que vai fortalecer o sistema imunológico e posteriormente, com o leite de transição e o leite maduro. A amamentação evita doenças como diarreia, infecções respiratórias, internações, bem como a desnutrição”, reforça a médica pediatra Fátima Mucha. Para as mães também há benefícios. O aleitamento reduz o risco de câncer de mama e de útero, além de anemia e osteoporose.

Uma das ações implantadas durante o Agosto Dourado, é a divulgação do Programa Mama Nenê ainda durante o pré-natal, nas Unidades Básicas de Saúde da Família, maternidade e hospitais particulares. O objetivo é preparar as mães para que elas não interrompam a amamentação antes de voltar à rotina. “Se a mãe sabe que existe essa possibilidade, ela pode se preparar melhor antes de voltar a trabalhar”, conclui Sabrina.

Comente com o Facebook