Paulinha alerta sociedade para riscos da exploração de petróleo no litoral de SC

Notícias de Santa Catarina - SC HOJE News


Depois do vídeo, em que faz um alerta de que Santa Catarina tem até outubro para salvar o seu litoral catarinense da exploração de petróleo e gás, a deputada Paulinha (sem partido) priorizou em suas redes sociais postagens com mensagens impactantes que buscam justamente acionar o engajamento da sociedade nessa causa ambiental abraçada fortemente por ela.  

Nesta quinta-feira (5), às 14h, os impactos da extração de petróleo para o litoral catarinense serão discutidos na audiência pública proposta pela deputada Paulinha, que é coordenadora da Frente Parlamentar Ambientalista.
 
“Vinte e nove municípios serão fortemente atingidos com a extração de petróleo em nosso Estado. Santa Catarina não foi ouvida quando aconteceu a decisão arbitrária da ANP. Queremos que o nosso Estado seja escutado. Queremos que a ANP apresente estudos preliminares a respeito do que pode representar para a pesca e o turismo catarinense, se caso essa exploração de petróleo se tornar realidade”, comentou.  
   
Outra informação surpreendente revelada pelo Instituto Internacional Arayara é que Santa Catarina pode perder 300 mil empregos na cadeia produtiva da pesca caso seja instalada a logística para exploração de petróleo e gás natural no litoral catarinense.

A pesquisa será divulgada na audiência pública desta quinta-feira (5). Vale destacar que essa audiência pública será transmitida exclusivamente por videoconferência, com transmissão ao vivo pela TVAL,  pelo youtube.com/assembleiasc  e pelas redes sociais da deputada Paulinha endereço  @deputadapaulinha. 

“Além da perda de empregos, haverá também uma sensível redução na arrecadação de impostos e no consumo de proteína animal por parte dos catarinenses”, observa o engenheiro Juliano Bueno de Araújo, diretor-técnico do Observatório do Petróleo e Gás e do Instituto Arayara e coordenador da pesquisa.

“O impacto negativo da atividade petrolífera sobre as espécies de peixes, em especial a tainha, que pode ser afetada pela exploração do petróleo e do gás natural, além de serem enormes os riscos de acontecerem micros, pequenos, médios e grandes vazamentos de óleo”, completou Bueno, que falará na audiência, a ser transmitida pelos canais online da Alesc.

A 17ª Rodada de Licitação de blocos marítimos para exploração de petróleo e gás natural, a ser realizada pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), autarquia pertencente ao Ministério de Minas e Energia, está prevista para acontecer em 7 de outubro.

Valquiria Guimarães
Assessoria de Comunicação
Deputada Paulinha
048 991047676

Comente com o Facebook