Ana Campagnolo destaca projetos na área educacional e contra lockdown


As principais ações e projetos da deputada Ana Campagnolo (PSL) foram destaque no programa “Fala, Deputado (a)”, da TVAL, a TV da Assembleia Legislativa, veiculado nesta segunda-feira (5). Ela abordou o projeto de sua autoria que proíbe a decretação, pelo Executivo, de lockdown sem aviso prévio de 48 horas, sem debate com os empreendedores e sem estudos científicos que o justifiquem.

“Uma das principais funções dos deputados é ouvir as demandas da sociedade e transformá-las em projeto de lei, ou em lei efetivamente, mas claro que não é a única função, e a medida da qualidade do deputado não se verifica pelos números de projetos apresentados, mas pela qualidade deles.”

Citando como uma de suas principais bandeiras, a deputada, que é professora, destacou o projeto que veda aos alunos o uso de celular em sala de aula para atender chamadas e usar redes sociais. “Temos vários projetos voltados para área da educação, em duas vertentes principais, a primeira de combater a doutrinação ideológica, uma das bandeiras pelo qual me elegi e tenho que dar respostas aos meus eleitores, e temos alguns projetos que pretendem modernizar a educação.”

Ela também falou do projeto que determina que professores contratados para atuar nas escolas e universidades públicas do estado poderão também ter que apresentar exame toxicológico para poder tomar posse. Como evangélica, a deputada reforçou o apoio ao seu terceiro projeto de lei, que propõe a adoção de medidas contra o vilipêndio à fé cristã. Campagnolo comentou uma série de atos e eventos recentes ocorridos em Santa Catarina e outros estados do Brasil, onde ataques violentos e gratuitos, abertamente ofensivos às convicções cristãs, foram perpetrados, inclusive com aporte de recursos provenientes de dinheiro público.

O programa pode ser acompanhado pelas redes sociais da Assembleia (Facebook, YouTube e Instagram); pela Rádio AL, onde ficará disponível no perfil do Spotify da emissora; e na Agência AL. Acompanhe a íntegra da entrevista no vídeo abaixo e nas redes sociais da Assembleia Legislativa.

Comente com o Facebook