Deputados alertam para terceira onda da Covid


Membros das bancadas do PSDB, PSD e PDT alertaram a comunidade catarinense para a iminência da terceira onda da Covid-19 durante a sessão de quarta-feira (2) da Assembleia Legislativa.

“Recebi ligações do Planalto Norte e soube que no Meio Oeste e na Serra já é realidade o incrível aumento de casos. O prefeito de Monte Castelo ligou no sábado à noite, ‘me ajuda Vicente’. Liguei para a Secretaria e estão pipocando muitos casos, acima do esperado. Uma nova onda vai pressionar o sistema, que já opera no limite, com ocupação de 95% de leitos de UTIs”, informou Dr. Vicente Caropreso (PSDB).

Caropreso adiantou que os parlamentares pretendem convidar o secretário da Saúde para discutir como o estado se prepara para a nova onda.

“Como o estado fará para que não falte anestésicos e o kit intubação? Qual a estratégia para aumentar o número de testes? Como está a manutenção dos respiradores, temos dados preocupantes de que quase 30% estão inservíveis ou precisam de manutenção ou reposição”, ponderou Caropreso, acrescentando que a nova onda será impulsionada pelas variantes P4 e Indiana.

Rodrigo Minotto (PDT) concordou com o colega e criticou o Ministério da Saúde pela lentidão na vacinação.

“O Brasil hoje conta com mais de 465 mil pessoas falecidas pela Covid 19 e caminhamos a passos largos para 500 mil mortos. Apesar do país ter um dos melhores sistemas de imunização, estamos caminhando lentamente, ainda não temos vacinas para atender a população. O ministro disse que iríamos vacinar um milhão por dia em maio, mas a média é de 400 mil e milhares não conseguem tomar a segunda dose por falta de imunizante”, descreveu Minotto.

O deputado lembrou que a imunização lenta compromete a retomada econômica.

“A economia não consegue reagir e o auxílio emergencial não atende a necessidade”, pontuou Minotto.

Ismael dos Santos (PSD) também demonstrou preocupação com o Programa Nacional de Imunização (PNI), lembrou de tentativa que liderou para trazer para o estado os testes da fase três da vacina italiana e celebrou a inclusão das comunidades terapêuticas nos grupos prioritários.

“Quero agradecer a deputada Carmen Zanotto, nos atendeu e recebi ontem o documento autorizando a imunização dos funcionários e colaboradores das comunidades terapêuticas, são 70 comunidades, está autorizada a imunização desses funcionários”, informou Ismael.

Passando a conta para o estado
Sargento Lima (PL) defendeu que o Executivo estadual assuma, via convênio, 30% da folha de pagamentos do Hospital São José, de Joinville.

“Segundo dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde de Joinville o município paga 75% da folha dos funcionários São José, o SUS paga 22,5%, sobrando ao estado entre 0,8% e 2,5%. Ano passado o total da folha foi R$ 268 mi, a prefeitura desembolsou R$ 201 mi, o governo federal R$ 60 mi e o governo do estado R$ 7 mi”, revelou Lima.

O deputado ressaltou que o hospital atende uma população de cerca de 1,4 milhão de pessoas e que mais de 24% dos atendimentos são para cidadãos que não residem em Joinville.

“Como o estado não pode assumir a folha de pagamentos do município, pode arcar com convênios para equalizar, ou quem sabe levar parte da alta complexidade do São José para o Regional”, indicou Lima.

Falta efetivo
Sargento Lima questionou os gastos de R$ 2,5 bi na segurança pública, haja vista que prefeitos continuam cobrando a falta de efetivo nas comunidades.

“Os prefeitos continuam pedindo efetivo, pergunto, o que está sendo feito com esses recursos? A prefeitura dá o terreno, a mão de obra, a comunidade dá a tinta, o parlamentar dá uma viatura, compra munição, os empresários dão colete, uniforme. Nosso grande problema é efetivo, porque material não é, a única coisa que a comunidade e os deputados não podem dar é polícia”, declarou Lima.

Crítica da Folha de São Paulo
Ana Campagnolo (PSL) repercutiu crítica publicada na Folha de São Paulo relativamente aos projetos de sua autoria denominados infância protegida e infância sem pornografia.

De acordo com a parlamentar, o advogado Ariel de Castro Alves, integrante de grupo de direitos humanos, argumentou que os projetos “querem, em nome de uma suposta proteção da criança, disseminar a intolerância e a homofobia”.

Ana negou peremptoriamente que os projetos induzem à censura e pediu apoio dos colegas para a tramitação e aprovação das matérias.

Início fantástico
Ricardo Alba classificou o início do mês de junho de fantástico para os moradores do Vale do Itajaí, haja vista a rejeição do veto aposto pela governadora Daniela Reinehr à lei que autorizou o uso de recursos do estado em obras federais, como a BR-470.

“Abrimos o mês liberando recursos para as rodovias federais em duplicação, as BR-470, BR-280, BR-163, mas incontestavelmente a grande vitória é da BR-470, pelo tráfego diário, pelos acidentes com mortes. Serão R$ 200 mi só na BR-470 para acelerar a duplicação de Navegantes a Indaial”, esclareceu Alba.

O deputado ainda revelou que o Ministério Público patrocinou um termo de ajustamento de conduta e as obras da SC-108, em Blumenau, podem ser retomadas imediatamente.

Volnei Weber (MDB) também manifestou seu contentamento com a publicação do edital de licitação para a pavimentação da SC-370, conhecida como a Serra do Corvo Branco.

“Foi uma alegria participar de um momento importante para as regiões Sul e Serrana, o lançamento do edital de licitação da SC-370, entre Grão Pará e Urubici, trecho de 9,5 km de extensão, uma das minhas principais bandeiras de trabalho. Quero agradecer a sensibilidade do governador do Estado e do secretário de Infraestrutura”, registrou Weber.

UFSC
Jessé Lopes (PSL) criticou duramente a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) pela manutenção do ensino remoto, quando outras universidades do estado já retomaram o ensino presencial.

“Estão há 14 meses sem aulas presenciais, o mais importante, parece, que não é a aula, mas se tem espaço e tempo para a militância política, também não pode faltar o dinheiro no bolso”, afirmou Jessé.

Imaturidade
Jessé classificou o governador Carlos Moisés de imaturo por ter vetado projeto de lei de sua autoria que tornava os setores de eventos e feiras atividades essenciais.

“Com pesar recebi mais um veto, agora se trata do PL 316/2020, de extrema importância, que torna setores de eventos e feiras como atividades essenciais. Fui o que mais votou com o governo, não quero saber de oposição por oposição, não quero saber disso, mas vamos derrubar esse veto, vai ter de engolir”.

Privatização da Eletrobrás
Rodrigo Minotto lamentou a aprovação de medida provisória (MP) autorizando a privatização do sistema Eletrobrás.

“Aprovaram MP que abre caminho para privatização da Eletrobrás. O que o Brasil ganha com isso? Nenhum país do mundo entrega seu domínio das águas para o capital estrangeiro. A prioridade é salvar vidas com vacinas e a economia com ações inteligentes e solidárias”, advertiu Minotto.

Feira do mel
Padre Pedro Baldissera (PT) repercutiu a abertura da Feira do Mel, novamente virtual, por causa das medidas de distanciamento social.

“Vários atores participaram do momento do lançamento da Feira do Mel aqui em Santa Catarina, mas com acesso às compras de forma virtual para todo o Brasil e com preços acessíveis, com participação de cerca de 27 produtores que farão a comercialização”, noticiou Padre Pedro.

Conforme informou o parlamentar, na edição de 2020 cerca de 13 mil pessoas participaram virtualmente da feira.

“Quero fazer um destaque todo especial ao trabalho realizado pela Federação de Associação de Apicultores e Meliponicultores de Santa Catarina (Faasc), pela Epagri e pelo Sebrae”, discursou o ex-prefeito de Guaraciaba, acrescentando que a feira vai até o final de junho e pode ser visitada no site https://faasc.com.br/meldesantacatarina/.

Gastos com inativos na educação
Kennedy Nunes (PSD) exibiu no telão do Plenário discussão no Tribunal de Contas de 2016 sobre a inclusão dos gastos com inativos da educação no percentual de 25% da educação.

“O relator dessa discussão era o conselheiro Herbst e queria a reprovação das contas do governo Raimundo Colombo porque dizia que não podia colocar os inativos da educação como gastos da educação. Em 2021 o relator é o mesmo conselheiro e antes de apresentar o relatório dele, dá uma entrevista dizendo que em 21 anos nunca viu contas tão perfeitas quanto a atual”, relatou Kennedy.

Todavia, segundo o parlamentar, incluídos os inativos, o estado gastou 26,14% e sem os inativos, apenas 24,07%.

“Em 2016 não podia, agora pode”, ironizou Kennedy.

Comente com o Facebook