Defesa Civil de Florianópolis cria projeto para capacitar moradores na prevenção de desastres


A Defesa Civil de Florianópolis, órgão responsável pela assistência, defesa e monitoramento contra calamidades da Secretaria de Segurança Pública de Florianópolis, acaba de relançar o Núcleo Comunitário de Proteção e Defesa Civil (NUDPEC). A ideia é capacitar nos próximos meses, moradores a atuarem de forma voluntária, na prevenção e primeiros socorros em potenciais situações de desastres nas comunidades em que residem.

“Criando e fortalecendo essa rede coletiva de proteção na comunidade, vamos conseguir somar esse trabalho aos esforços que já vêm sendo empreendidos diariamente pelos nossos agentes. Se considerarmos que os moradores de determinada área, conhecem bem o território e os seus vizinhos, sem dúvida, essa é uma excelente estratégia na proteção à vida e integridade física da nossa população”, explica o Secretário de Segurança Pública da Capital, Araújo Gomes.

A Defesa Civil disponibilizou ao todo, 20 vagas por bairro. Os interessados devem procurar as lideranças comunitárias dos seus bairros, que terão até dia 16 de junho, para enviar os nomes dos moradores para o email [email protected] Caso não seja possível desta forma, mais infos podem ser obtidas por também por este email. Os únicos critérios para a participação são a maioridade (acima de 18 anos) e disponibilidade para participar dos treinamentos no período noturno.

“Nosso objetivo é, basicamente, de desenvolver um processo de orientação permanente com a população para prevenir. e quando não for possível, minimizar os riscos à vida e prejuízos em situações de desastres nas áreas de risco”, explica o Assessor Técnico da Defesa Civil e Coordenador da iniciativa, Samuel Vidal.

Finalizando o período de inscrições, com os grupos já mapeados, a organização do projeto pretende iniciar as capacitações locais ainda no início do mês de julho. A duração prevista dos treinamentos teóricos e práticos é de três meses. Os participantes serão treinados na área de prevenção, preparação, respostas e reconstrução. Nos casos dos encontros presenciais, todos os protocolos sanitários serão seguidos, como distanciamento social, uso de máscaras, entre outros.

Após treinados, os grupos locais poderão atuar por meio de visitas técnicas com geólogo para aprender a identificar áreas de risco, orientação às famílias que residem em áreas com riscos em potencial; encontros mensais dos núcleos comunitários; visitas às escolas; organização de mutirões de limpeza; visitas às outras Defesa Civil e outras ações.


Comente com o Facebook