Mais de 300 agentes de Saúde vão atuar na operação “Lockdown Inverso”


Um exército de 320 agentes comunitários de saúde vai auxiliar a Administração Municipal de Chapecó na operação “Lockdown Inverso”, que vai identificar e isolar os casos positivos de Covid em Chapecó.

“Nós temos 320 soldados para fazer a busca ativa do vírus. Vamos identificar, testar, isolar e tratar”, disse o prefeito João Rodrigues, na manhã desta quinta-feira, explicando como vai funcionar a ação presencialmente para os agentes, no Centro de Eventos, e também por transmissão nas redes sociais da Prefeitura.

A ideia é acompanhar não somente os casos positivos, que estão isolados, mas também seus familiares.

“Se alguém da família tossir, espirrar, a agente deve comunicar imediatamente a Central de Monitoramento que montamos no Centro de Eventos. A Central vai mandar a Unidade Móvel que montamos, com médico, enfermeira e farmacêutica, que vai até o local e fará o teste de todos os familiares”, explicou João Rodrigues.

Ele lembrou que nesta quinta-feira temos apenas 370 ativos, contra 5,5 mil no começo de março.

O prefeito ressaltou a importância do trabalho de cada agente, para evitar que o vírus passe para os vizinhos e fuja do controle, causando mais óbitos.

Destacou também o apoio da Polícia Militar, Bombeiros e Guarda Municipal que vão auxiliar no monitoramento do cumprimento das regras de isolamento. Quem descumprir pode pagar multa e até ser processado criminalmente.

A Assistência Social do Município vai colaborar na ação, fornecendo alimentação por 30 dias para as famílias que tiverem que cumprir o isolamento por 10 a 14 dias.

“Nós vamos cuidar da saúde, mas também não vamos deixar passar fome quem precisaria sair de casa para ganhar seu sustento”, explicou o prefeito.

A Central de Monitoramento terá uma coordenadora e seis auxiliares, que atenderão diariamente, das 7h às 19h.

Comente com o Facebook