Sessão destaca efeito positivo da vacina e planejamento em infraestrutura


A queda de óbitos entre os grupos de pessoas vacinadas e o planejamento em infraestrutura para os próximos 15 anos ganharam destaque na sessão de terça-feira (20) da Assembleia Legislativa.

“Como caiu o número de pessoas vítimas fatais da Covid para aqueles que já tomaram a vacina! Mas ontem me preocupou ver as estatísticas de vacinação. Desde o afastamento do governador Moisés estávamos na faixa de 11% da população vacinada, junto com Rio Grande do Sul e outros estados, mas ontem vi que o Rio Grande tem 17% da população e inexplicavelmente Santa Catarina continua com 11% da população vacinada. Seria bom que a secretária Carmen se manifestasse a este respeito”, cobrou Maurício Eskudlark (PL).

Já Valdir Cobalchini (MDB) repercutiu consulta pública coordenada pelo Ministério de Infraestrutura sobre investimentos na área para os próximos 15 anos.

“Até 30 de abril o Ministério vai ouvir a sociedade em relação ao Plano Nacional de Logística, que vai nortear os investimentos em infraestrutura nos próximos 15 anos. Será uma oportunidade para que Santa Catarina apresente até o dia 30 de abril os investimentos necessários para alavancar o nosso desenvolvimento”, alertou o deputado.

O representante de Caçador citou a necessidade urgente de investimentos nas BRs 280, 163, 470, 101 e 282; nos aeroportos regionais de Chapecó, Joinville, Caçador e Correia Pinto; e a construção das ferrovias do Frango e Norte-Sul.

Cobalchini também reivindicou investimentos nos portos catarinenses.

“Temos cinco portos, é o estado brasileiro que mais tem portos, mas cujos investimentos são modestos, isso para ser generoso, porque há muito tempo não se investe dinheiro público em nossos portos”, reconheceu o emedebista.

Em aparte, Dr. Vicente Caropreso (PSDB) concordou com Cobalchini e creditou os parcos investimentos da União no estado à baixa representatividade (apenas 16 parlamentares) na Câmara dos Deputados.

“Essa história vem de longe, o nosso per capita da saúde depois de muito tempo foi reajustado no governo de Michel Temer, é algo de chamar a atenção”, ponderou Caropreso.

Vilson Zabel
Ismael dos Santos (PSD) lamentou a morte do pastor Vilson Zabel, presidente da Igreja Assembleia de Deus de São João Batista, no Vale do Rio Tijucas.

“Quero registrar votos de sentimentos, no último sábado morreu o pastor Vilson Zabel, de 65 anos, mais uma vítima da Covid. Teve uma trajetória brilhante, presidiu a Assembleia de Deus em Jaraguá do Sul, Lages e por último presidia a Assembleia de Deus de São João Batista. Um líder carismático que deixa um enorme vazio”, declarou Ismael, que enviou condolências à família e aos amigos do pastor.

Parque das Itoupavas
Ismael destacou a inauguração do Parque das Itoupavas, em Blumenau.

“O primeiro final de semana foi de sucesso de público, estivemos juntos na aquisição do terreno, nas licitações, de fato nós conseguimos os recursos de R$ 2,7 mi na época do governador Raimundo Colombo. Um antigo sonho que se torna realidade”, justificou Ismael, acrescentando que o novo parque atenderá cerca de 100 mil pessoas que residem na região Norte de Blumenau.

Dia das polícias civil e militar
Maurício Eskudlark ressaltou a passagem do dia da Polícia Militar e da Polícia Civil catarinenses, que será celebrado amanhã, quarta-feira (21).

“Já fui chefe da Polícia Civil, sempre procuramos trazer conhecimento e aprimorar a Polícia Civil. Tenho saudades da atividade policial, da união, da vontade em resolver os casos, de atender o cidadão e diminuir o sofrimento das famílias. O meu abraço a todos os policiais neste 21 de abril”, discursou Eskudlark.

Timbó Grande 32 anos
Maurício Eskudlark ressaltou os 32 anos de emancipação político-administrativa de Timbó Grande, município localizado no Planalto Norte do estado, celebrado em 26 de abril. O município foi palco de uma das últimas e mais sangrentas batalhas da Guerra do Contestado, em Santa Maria, quando centenas de homens, mulheres e crianças foram dizimados pelas forças legalistas.

“Um momento importante, mas não teremos comemorações em razão das dificuldades provocadas pela Covid”, justificou Eskudlark.

104 anos de Roberto Campos
Bruno Souza (Novo) lembrou os 104 anos de nascimento do economista e político cuiabano Roberto de Oliveira Campos (1917/2001).

“O maior congressista que o Brasil já teve, Roberto de Oliveira Campos, o Bob Fields. Defendeu sozinho a liberdade econômica por 50 anos. Foi um grande profeta, como ele dizia, melhor que Marx, que previu o colapso do capitalismo, ele previu o colapso do socialismo”, rememorou Souza.

Segundo o deputado, Bob Fields ficaria escandalizado com a nova direita brasileira, que no Congresso aumenta os gastos públicos e aprova leis intervencionistas.

“Não tem o menor pudor em aumentar o tamanho do estado e assaltar o bolso do consumidor. A nova direita é conservadora nos costumes e comunista na economia”, ironizou o parlamentar.

A volta da fome
Luciane Carminatti (PT) classificou de retrocesso o retorno do país ao mapa da fome.

“Este assunto já estava superado no nosso país, é um retrocesso, estamos falando daquilo que não podia faltar de modo algum a qualquer ser humano: pela primeira vez em 17 anos mais da metade da população não tem certeza se terá comida no prato no dia seguinte”, discursou Carminatti.

A deputada revelou que a mobilização levada a cabo pelo Partido dos Trabalhadores (PT) arrecadou cerca de 100 toneladas de alimentos em todo país.

“Estamos mobilizados de Norte a Sul, de Leste a Oeste, mas quero reforçar o apelo aos companheiros para que instalem postos de coleta e mapeiem quem está mais precisando dessas doações”, orientou Carminatti.

Devolução de recursos para a União
Carminatti criticou o governo do estado por não ter gasto cerca de R$ 3,7 mi dos R$ 4,5 mi disponibilizados pela União para aquisição de alimentos dos pequenos produtores rurais.

“Na véspera de encerrar o prazo, R$ 3,7 milhões ainda não foram utilizados e o principal motivo alegado pelos produtores é a exigência de nota fiscal eletrônica, uma tecnologia que pequenos agricultores, indígenas e quilombolas não têm”, disparou a deputada, que pediu à Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) que reveja a exigência da nota fiscal eletrônica.

Adavilson “Mancha” Teles
Silvio Dreveck (PP) informou a morte do presidente da Câmara de Vereadores de Campos Novos, Adavilson “Mancha” Teles.

“Mais uma vítima para a Covid-19, tantas e tantas pessoas que já foram e que nós lamentamos pelos seus familiares, amigos. Não foi diferente com o nosso jovem progressista de Campos Novos, presidente da Câmara de Vereadores Adavilson Teles, mais conhecido como Mancha, mesmo jovem, com 40 anos, não conseguiu superar. Que Deus conforte os familiares e os amigos”, deplorou Dreveck.

Kennedy Nunes (PSD) também lamentou a morte de Mancha e pediu ao presidente da Casa, Mauro de Nadal (MDB), para determinar um minuto de silêncio em homenagem ao combativo edil, pedido que foi atendido.

Comente com o Facebook