Fecam garantiu a CoronaVac para SC

À frente da Federação Catarinense dos Municípios (Fecam) desde agosto de 2020, Paulo Roberto Weiss deixa a presidência da entidade neste dia 20, após suceder Orildo Svergnini, de Major Vieira, que renunciou diante de denúncias de corrupção e fraudes. O ex-prefeito de Rodeio, no Vale do Itajaí, assumiu o cargo em meio a uma crise jurídica e teve pela frente todas as dificuldades provocadas pela pandemia.

Ao final de sua gestão, Weiss sai da presidência com a marca de ter protagonizado a assinatura do convênio entre a Fecam e o Instituto Butantan, de São Paulo, para a reserva e envio da vacina CoronaVac, contra a Covid-19, para SC.

O movimento da Federação Catarinense de Municípios, entidade que congrega 21 associação municipalistas, se antecipou às ações do governo do Estado e até mesmo da presidência da República, para garantir a imunização aos moradores do estado.

Em entrevista exclusiva à coluna Pelo Estado, Weiss faz um balanço dos seus seis meses à frente da entidade, fala das dificuldades impostas pela pandemia e projeta o futuro com a vacina contra a Covid-19.

Pelo Estado – Como o senhor recebeu a informação da eficácia da vacina CoronaVac?

Paulo Weiss – Esse anuncio do Instituto Butantan comprovando a eficácia da vacina CoronaVac é um momento de alegria para todos que acreditam na ciência e que estavam acompanhando de perto o desenvolvimento dessa vacina com o laboratório chinês Sinovac. É importante registrar que para quem se vacinou teve 100% de eficácia, sem registro de óbito.

Pelo Estado – Qual a importância do papel da Fecam neste processo?

Paulo Weiss – A Fecam foi protagonista da ação quando no estado não estava se debatendo ainda a questão da vacinação. Depois dessa movimentação da Fecam é que outros atores acabaram indo a reboque do protagonismo da instituição. É Importante lembrar que a Fecam garantiu a aquisição de 500 mil doses e caso for necessários os municípios podem comprar diretamente do Butantan.

Pelo Estado – Como será feita a compra, a Fecam vai adquirir as doses?

Paulo Weiss – A Fecam não pode comprar porque não é sua finalidade, inclusive há um questionamento do Ministério Público e do TCE. A Fecam é uma entidade meio. O canal que abrimos é para que os municípios comprem. Esperamos que se concretize que o governo Federal compre e disponibilize aos municípios, num caminho que foi apontado pela Fecam.

“A Fecam foi protagonista neste processo, quando não estava se debatendo a vacinação em Santa Catarina. Depois outros atores vieram a reboque.”

Pelo Estado – Quanto tempo o senhor entende que será necessário para vacinar toda a população?

Paulo Weiss – Quando da vacinação da H1N1, nós estávamos vacinando 500 mil brasileiros por dia. Se seguirmos neste ritmo, nós demoraremos 200 dias para vacinar 100 milhões de brasileiros e, como são necessários duas doses, vamos demorar 400 dias para imunizar 100 milhões. A gente tem um longo desafio ainda para que se atinja a imunidade de rebanho. Não vamos ter capacidade de vacinar todo mundo ao mesmo tempo.

Pelo Estado – Como no senhor avalia a atuação do governo do Estado no combate à Covid-19?

Paulo Weiss – No começo, nos primeiros dias e meses, entendemos que foi muito boa a atuação, com participações efetiva e tomadas de decisões importantes. Foram duras para todos nós as medidas de isolamento e fechamento das atividades. Todos os municípios sentiram muito, mais ainda os menores municípios. Aos poucos achamos que o governo perdeu o foco e perdeu tempo no combate à doença.

Pelo Estado – E como a Fecam vê o comportamento das pessoas, muitas desrespeitando as regras de distanciamento e os protocolos oficiais?

Paulo Weiss – O ser humano vive em sociedade, é muito difícil fazer com que as pessoas fiquem em casa o tempo todo por quase um ano, praticamente impossível. Temos que admitir essa situação. Mas também todos devem seguir respeitando os protocolos, é a única maneira de vencermos esta doença.

Pelo Estado – Com relação a volta às aulas, qual a posição da Fecam?

Paulo Weiss – Nós entendemos que a volta às aulas é fundamental para retomada das atividades. Não só pela questão da formação de jovens e crianças, mas também para a saúde mental deles e, sobretudo, para a retomada efetiva das atividades econômicas pois muitos pais não têm onde deixar seus filhos.

Pelo Estado – E foi pensando nessa volta à normalidade que a Fecam assumiu o protagonismo em relação à vacina CoronaVac, ao firmar o convênio com o Instituto Butantan?

Paulo Weiss – Assumimos esse papel de protagonismo porque não encontramos ação nem por parte do governo do Estado nem por parte do governo Federal. Acho que perdemos muito tempo com discussões ideológicas e religiosas e ficamos para trás neste processe de aquisição da vacina. E o resultado está aí. A eficiência da vacina CoronaVac está comprovada e agora cabe aos prefeitos prepararem as estruturas para as campanhas de vacinação.

Estado – Para a Fecam, então, este é o maior desafio dos prefeitos neste início de ano?

Paulo Weiss – Sem dúvida. A volta às aulas e a vacinação da população são os maiores desafios dos prefeitos eleitos e dos reeleitos neste início de mandato. Somente isso vai garantir a segurança para a retomada da normalidade.

“A eficiência da CoronaVac está comprovada agora acabe aos prefeitos prepararem as estruturas para vacinação, estamos apenas na metade do caminho, temos um grande desafio pela frente.”

Pelo Estado – A poucos dias de deixar a presidência da Fecam, qual o balanço que o senhor faz de sua gestão?

Paulo Weiss – Assumimos a presidência num momento difícil, após a renúncia do meu antecessor, envolvido em denúncias de irregularidades. E tão logo tomamos posse tivemos que focar nos desafios impostos pela pandemia, que no exigiu foco total no combate ao novo coronavírus e atenção aos protocolos sanitários. Todos os municípios encontraram muitas dificuldades nos primeiros meses, e ainda encontram, uma vez que a pandemia afetou diretamente a economia e a vida de todos os brasileiros. Estão sendo meses de muitos desafios.

Pelo Estado – E como a Fecam vê os desafios dos municípios de agora em diante?

Paulo Weiss – Eu costumo fazer um comparativo com a Segunda Grande Guerra Mundial. Os países que não participaram do conflito armado saíram na frente depois da guerra. Com as prefeituras será a mesma situação. Quem não teve tantos casos, tantos problemas deve sair na frente; quem se preparou melhor durante a pandemia também deve sair da frente dos demais municípios que enfrentaram maiores problemas. Mas no geral será um desafio para todo nós e levaremos tempo para conseguirmos voltar à normalidade.

Pelo Estado – E como será feita a sua sucessão/ Quem deve ser o novo presidente da Fecam a partir do dia 20?

Paulo Weiss – As 21 associações que formam a Federação Catarinense de Municípios farão uma assembléia geral quando deve sair o nome do futuro presidente da entidade que é muito importante para todo o estado de Santa Catarina. Eu destaco que nunca houve disputa na Fecam e nós acreditamos que seja da mesma forma. Eu apenas tenho uma certeza, não será nenhum representante do Alto Vale do Itajaí, uma vez que nós estamos encerrando esta gestão. Deve ser escolhido um representante de outra região de Santa Catarina e cabe a nós apoiarmos quer for o futuro comandante da Fecam.

EWALDO WILLERDING – PELO ESTADO