Centro de Eventos de BC – Burocracia pública é o grande problema

Com licitação deserta, ou seja , empresas interessadas com propostas de gestão privada, na semana passada, o efetivo funcionamento do Centro de Eventos de Balneário Camboriú, que será o maior em estrutura do Sul do país, passa a ser preocupação do trade turístico e poder público catarinense. Era uma espécie de problema anunciado, porém, em função da lentidão e burocracia do processo . O que não faltou em recursos totais da ordem de mais de R$ 130 milhões ( incluindo aditivos ), entre União, Estado e prefeitura de BC, faltou em termos de agilização dos procedimentos por parte do governo do Estado . E não foi por falta de previsão . Quando assumiu a secretaria de Turismo, Esporte e Cultura, lá em 2016-17, o então deputado Leonel Pavan já alertou que não havia sido feito o estudo de viabilidade econômica , condição básica para a licitar o processo de concessão, o que começou então a ser providenciado às pressas . Além disso, não havia no contrato recursos e previsão das obras finais de acabamento internas, como divisórias , elevadores e climatização
Não deu outra. Com a lentidão do processo burocrático , a licitação da concessão acabou caindo em meio à crise do coronavírus , que está causando prejuízos de mais de R$ 23 milhões ao setor de eventos  ,desde março para cá . Se fosse antes , o processo seria mais atrativo aos investidores . No panorama atual , com uma crise destes , difícil achar interessados em adiantar R$ 10 milhões de outorga ao governo e assumir um contrato da ordem de R$ 140 milhões por 20 anos.

O problema passa também, é claro, por uma abertura maior de diálogo entre governo, prefeitura e trade turístico nos sentidos de facilitar e deixar regras mais atrativas ao setor. O que não houve na primeira etapa , deve sensibilizar os envolvidos agora para esta segunda e rápida tentativa de licitação que deve começar já nesta semana com estudos e sondagem de mercado. Ao menos para assegurar alguns eventos para segundo semestre de 2021 e 2022. O parlamento catarinense deve contribuir com o processo  via Comissão de Turismo e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa e isso é positivo porque amplia do debate.

Em tempo: onde houve agilização deste tipo de procedimento e obra , o sistema já está funcionando bem. Caso do novo Centro de Eventos de Salvador, Bahia, com tamanho, capacidade e investimentos parecidos com o de Balneário Camboriú, construído em tempo recorde de pouco mais de um ano. Concedido à iniciativa privada, foi inaugurado em janeiro deste ano e já tem mais de 30 eventos programados até 2024.

FOTO  - Centro de Eventos de BC : Entrega oficial e funcionamento vai demorar um pouco mais.

SC COM SELO DE ‘VIAGENS SEGURAS “ DO WTTC 

Santa Catarina está entre os  estados brasileiros que já contam com o selo Safe Travels do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC), um reconhecimento pela adoção de protocolos de biossegurança contra o novo coronavírus. Segundo o Ministério do Turismo, os pré-requisitos para a obtenção do selo, que tem o apoio da Organização Mundial do Turismo (OMT) e de cerca de 200 grandes empresas do setor em todo o planeta, são atualizados conforme as informações disponíveis sobre a Covid-19. A marca segue recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos.

A iniciativa se soma a ações desenvolvidas no Brasil pelo Ministério do Turismo, que confere o Selo Turismo Responsável a atividades e profissionais que seguem medidas de prevenção à doença. Lançado em junho deste ano, o selo do MTur já soma quase 24 mil adesões, com destaque para agências de turismo, meios de hospedagem, guias de turismo, transportadoras turísticas e cafeterias, bares e similares, entre outros.

Por Carlos Mello

Carlos Mello