Guarda Municipal ampara mulheres vítimas de violência em Balneário Camboriú

    Desde o começo do mês de março, o Grupo de Proteção às Mulheres (GPM) da Guarda Municipal de Balneário Camboriú (GMBC) tem atuado para fortalecer o apoio à rede de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica. O grupo mantém uma aproximação ativa nos trabalhos realizando rondas constantes aos bairros de Balneário Camboriú. Prestes a completar três meses de funcionamento, o GPM já atendeu diversas ocorrências.

    O grupo atende, em média, quatro ocorrências por dia. Além disto, desde o período de criação, 58 mulheres vítimas de violência doméstica, que possuem medida protetiva, têm sido acompanhadas continuamente pelo grupo. Foi registrado apenas um caso onde o autor descumpriu a medida e foi preso em flagrante pela Guarda Municipal de forma rápida, logo após a vítima entrar em contato com as integrantes do grupo.

    Nas ocorrências geradas os números são: dois acompanhamentos para retirada de pertences das vítimas, designado pelo poder judiciário; 23 encaminhamentos psicológicos; sete encaminhamentos sociais; seis encaminhamentos jurídicos e três prisões de agressores.

    De acordo com a inspetora da Guarda Municipal, Tássia Bruna Carvalho, a criação do grupo surtiu resultado positivo nesses primeiros meses de atuação.

    “Nós acolhemos as vítimas e dependendo o motivo, encaminhamos para atendimentos psicológicos, assistência social e assessoria jurídica. Tudo isso para fortalecermos ainda mais essa rede constituída em nosso município, pois o acolhimento ofertado pelo grupo tem contribuído para que as vítimas tenham coragem e confiança para quebrar o ciclo de violência. A criação desse grupo é um recado para todas as mulheres: que elas não estão sozinhas,” conclui.

    As mulheres podem pedir auxílio através do número 153, e ainda diretamente pelo Grupo de Proteção à Mulher (47) 9982-2275, onde as guardas do GPM se deslocam imediatamente e prestam o apoio que for necessário à vítima – os encaminhamentos variam conforme a situação.

    Comente com o Facebook