Presidente da Comissão de Turismo e Meio Ambiente da Alesc visita Complexo Lagunar do sul

Ao encerrar roteiro de visitas e contatos políticos visando sua futura filiação ao PL, além de tratar de questões ambientais, neste fim de semana, na  região Sul do Estado, o deputado Ivan Naatz (PV) analisou que o pedido de impeachment protocolado ( e já com parecer favorável da Procuradoria da  Assembleia Legislativa)  pelo defensor público Estadual Ralf Zimmer Júnior, poderá não ter motivo suficiente para destituir o governador Carlos Moises do cargo,  mas  provocará aumento no seu  já “constante sangramento e  prejuízo político”, incluindo o governo como um todo.

Na avaliação do deputado, Moisés está com a imagem política desgastada por uma série de decisões equivocadas tomadas ao longo do ano passado, incluindo a falta de uma comunicação mais efetiva com o parlamento estadual , como no caso do projeto de aumento das alíquotas do ICMS para vários setores produtivos.

Mesmo que não veja o risco de unanimidade política contra o governador no caso, Ivan Naatz , que também e advogado de profissão considera que o documento do pedido de impeachment está bem fundamentado tecnicamente ao contestar  a via administrativa  que o governador usou para conceder aumento aos procuradores do Estado. “O governador terá que provar que usou mesmo uma sentença judicial como justificava, o que até agora não está claro e nem apareceu”, observou o deputado , recomendando também cautela  ao governador com sua imagem e melhoria com a comunicação pública , “pois não vive mais em tempos de quartel”.

COMPLEXO LAGUNAR DO SUL – Como presidente da  Comissão de Turismo e Meio Ambiente  da Assembleia Legislativa, o deputado Ivan Naatz , também aproveitou o roteiro no Sul para visitar, acompanhado de lideranças do setor ambiental, a região da Lagoa do Sombrio e da Lagoa do Caverá, por estarem sofrendo perda da lâmina d’água em função da degradação ambiental e do assoreamento.

O deputado disse que vai intensificar este ano uma mobilização que já existe no âmbito da Comissão no sentido de cobrar tanto do  Ministério Público Federal como do governo do Estado,  projetos que revitalizem o complexo lagunar, considerado como uma das maiores reservas de água doce de Santa Catarina.

A visita ao local foi acompanhada da prefeita em exercício de Sombrio, Gislaine Cunha (MDB), do presidente do Conselho Municipal do Meio Ambiente- Condema- Edmilson Colares; presidente da OGN Aguapé Andreia Teixeira e a vereadora Cida Schaefer, de Balneário Gaivota, além de moradores da região.

Comente com o Facebook